A crónica de hoje no Público parte de um falhanço nosso como comunidade política organizada: em 2015, uma concidadã nossa, a que deram o nome Maria, foi assassinada pelo marido mais de um mês depois de ter comunicado ao Ministério Público que estava sob ameaça de morte, sem que lhe tenha sido conferido o estatuto […]

Ler mais
Os partidos-médium e os deputados-fantasma

“Como pode isto ser? Nós, que somos meros mortais, não percebemos. Já os nossos deputados na AR são corpos evanescentes, capazes de serem contados numa sala onde não estão presentes e de nela votarem sem ter votado. Fantasmas, portanto. Os seus partidos são como médiuns numa sessão espírita, capazes de convocar quem não está presente […]

Ler mais
A nova desordem mundial [texto integral]

|Do arquivo Público 22.12.2017| Ontem não foi a primeira vez que os EUA votaram isolados na Assembleia Geral das Nações Unidas. Em matéria de conflito israelo-palestiniano, então, os votos isolados ou acompanhados apenas de mais um ou outro aliado foram frequentes no passado. Mas não deixa de causar um certo pasmo ver quem acompanhou os EUA […]

Ler mais
Com estimas destas ninguém precisa de estigmas

“No mundo das crónicas, uma pessoa lá tem de se habituar a que de vez em quando sejam distorcidas as suas palavras. Agora substituírem uma palavra por outra e atacarem-me por aquela que escolhi não usar é que confesso nunca ter visto.” Uma crónica sobre uma coisa estranha que me aconteceu ontem, para ler no […]

Ler mais
O livro mais importante que li este ano [texto integral]

|Do arquivo Público 24.11.2017|  Um dia encontrei esperando por mim um envelope num local onde eu iria ter uma reunião. Destinatário, era eu. Remetente, não constava. Lá dentro, vinha um livro: Contra a Barbárie. Autor, Klaus Mann. O apelido é conhecido: trata-se do filho do célebre escritor Thomas Mann (e sobrinho de outro romancista importante, […]

Ler mais
O canto do cisne do falcão da austeridade

O canto do cisne do falcão da austeridade – No Público de hoje . “Passos podia estar a discursar num dia 27 de novembro, mas a sua atitude mental estava no 25 de Novembro. Só que mais ninguém o acompanha: para a vastíssima maioria dos portugueses, a governação da geringonça pode ter todos os defeitos […]

Ler mais
Do nosso tempo [texto integral]

|Do arquivo Público 06.11.2017| Imaginemos que nasce um bebé. Como todos os que vieram antes e depois de hoje, ganha no primeiro dia “um bilhete de graça para andar no carrossel dos planetas”, como chamou uma poeta à vida na terra. Tudo o resto pode vir a ser muito diferente. Não só porque é possível que […]

Ler mais