tempos-modernosA minha crónica de ontem no Público.

“Para fazer as contas à importância deste governo, não basta pensar nos desafios e dificuldades de “virar a página da austeridade”. É preciso pensar no que faria Passos Coelho num segundo governo. Ideologicamente neoliberal como poucos políticos no país, Passos Coelho privatizaria o que faltasse vender e poria em risco o estado social tal como o entendemos. Se estivesse aliado com um PS de “abstenções violentas” como o de Seguro, poria em cima da mesa uma mudança constitucional como a que propôs ao chegar à liderança do PSD, esvaziando os direitos sociais e diminuindo a proporcionalidade do sistema político. Foi com essa possibilidade que brincámos durante os últimos anos de sectarismo à esquerda.

Pelo seu lado, a governação à esquerda tem a missão oposta. Trata-se precisamente de garantir que no núcleo essencial daquilo que a une — o estado social e o cumprimento da Constituição — o acervo de conquistas do 25 de Abril fique salvaguardado por mais uma geração. (…) Mais tarde ou mais cedo, a geringonça precisará da sua base de apoio social. E esta não se mobiliza apenas para conter o que de pior foi feito mas sobretudo por uma visão estratégica de futuro.”
Mais aqui: http://www.publico.pt/n1746223