“Há cem anos esperou-se que por quase todos os imperadores serem primos a Europa pudesse ter uma paz rápida. Não sucedeu. Agora que já não há imperadores, seremos talvez ainda uma família quezilenta, barulhenta e desentendida, com duas guerras às portas de casa. Não há grandes teorias da História que se possam tirar daqui. Saímos da Eurovisão com a mesma conclusão que se tirou dos encontros de família: lá passou mais um ano.”

Para ler a crónica de hoje no jornal Público, clique em Jogos com fronteiras.