É por isso que indigna tanto que Passos tenha para si a sensibilidade que negou aos concidadãos que governa. Razões para a sua demissão não faltaram durante todo o seu mandato. O que não há é razões para que ele possa ser juiz de si mesmo.

Diz muito sobre Pedro Passos Coelho que este tenha pensado dar uma novidade a alguém quando a semana passada nos anunciou que não é “um cidadão perfeito”. Nós já tínhamos desconfiado, e nem foi preciso esperar pela sua biografia fiscal e contributiva.

A questão é: qual deve ser a bitola? A não-perfeição do cidadão é claramente inadequada, porque nos inclui a todos, e porque inclui demasiada coisa. Ninguém consegue ser perfeito e, consequentemente, ninguém tem culpa de ser imperfeito. Há pois algo de inversão moral na forma como Passos Coelho se coloca perante os cidadãos, pretendendo dizer-nos que, porque nós próprios não somos perfeitos, ele é apenas um de nós.

Os comentadores declaram que ele falhou na sua missão de “fechar o assunto”.

Eu pergunto-me se ele não teve sucesso na sua missão verdadeira, que é de minimizar o assunto. Afinal, a não perfeição refere-se a uma falta de pagamento. Mas a falta de pagamento refere-se a dinheiro que Passos Coelho recebeu. E esse dinheiro refere-se a trabalho na Tecnoforma que ninguém percebe qual foi. E que aparentemente vinha de fundos europeus que tinham sido obtidos para ações beneméritas e sociais que nunca chegaram a ocorrer. E essas atividades começaram num tempo em que Pedro PassosCoelho era deputado em exclusividade, e continuaram após ele terminar o mandato com formações em aeródromos inexistentes. Ao esticar o dedo para falar da sua não-perfeição, Pedro Passos Coelho está a tapar a lua. Sim, atrasos e multas e dívidas todos temos. Mas nem todos recebemos pagamentos para não fazer nada de especial, através de uma empresa que por sua vez recebe fundos vultuosos para fazer algo que nunca apareceu, enquanto somos deputados em regime de exclusividade.

Este é o caminho para montante. Ora, se fizermos o caminho para jusante, ninguém pediu a Pedro Passos Coelho que fosse perfeito. Mas pedimos-lhe — pedimos a todos os governantes — que fosse justo e que agisse com proporcionalidade.

Eu lembro-me — muita gente se lembra — do jovem estudante que entrou pela segurança social adentro, cortando os cabos dos computadores com um alicate, porque lhe tinham cortado a bolsa por o seu pai ter dívidas à segurança social. Este jovem não era um cidadão perfeito, mas foi tratado pelo sistema com uma implacabilidade que Pedro Passos Coelho rejeita para si mesmo. Mas o governo que justificou essa implacabilidade, que chegou mesmo a ter uma atitude persecutória com todos os endividados deste país — e são tantos —, era e é chefiado por Pedro Passos Coelho.

Todos nos lembramos de muitas outras histórias reais como esta, e conhecemo-las bem. Há duas semanas apenas, os partidos da maioria chumbaram propostas do BE e do PS para que não pudessem ser penhoradas, aos devedores ao fisco, as suas únicas casas de habitação. E, como é evidente, este governo nada fez para resolver a situação dos muitos milhares de trabalhadores a falsos recibos verdes que devem à Segurança Social.

É por isso que indigna tanto que Passos tenha para si a sensibilidade que negou aos concidadãos que governa. Razões para a sua demissão não faltaram durante todo o seu mandato. O que não há é razões para que ele possa ser juiz de si mesmo.

(Crónica publicada no jornal Público em 09 de Março de 2015)