Os refugiados são a população mais vulnerável do mundo. Os mais vulneráveis dos vulneráveis são os cerca de 200 mil refugiados no mundo que precisam de reinstalação, ou seja, que pertencem às categorias prioritárias do ACNUR (vítimas de violência sexual, tortura, portadores de doenças que não podem ser tratadas nos campos, etc.) e necessitam de uma nova vida fora do campo. Este é um problema que podia ser resolvido. Desses duzentos mil, cem mil são reinstalados todos os anos por países como os EUA, Canadá, Austrália, e até Brasil e Chile. A União Europeia faz muito pouco: 4700 refugiados por ano.

Durante mais de três anos trabalhei para mudar a lei de refugiados da UE; após um relatório aprovado no Parlamento e batalhas com o Conselho durante as presidências sueca, espanhola, belga, húngara, polaca e finalmente dinamarquesa, consegui. Trabalhando noutro tabuleiro parlamentar, aprovámos um projeto-piloto para lidar com a integração de refugiados em ambiente urbano, permitindo a troca de melhores práticas e experiências entre municípios, além de um outro projeto-piloto para ajudar refugiados em situações de emergências, ambos com financiamento próprio (e, relacionado com esses, um projeto-piloto para apoio à reabilitação de vítimas de tortura). No seguimento da aprovação do meu relatório sobre reinstalação de refugiados na UE, cada Estado-Membro passou a poder receber entre 4 mil e 6 mil euros por refugiado reinstalado, para além de outros incentivos que tinham como objetivo tirar dos campos do ACNUR os mais vulneráveis de entre os refugiados que existem no mundo, devolvendo-lhes assim dignidade e perspectivas para as suas vidas.

O tempo foi passando; muito outro trabalho em cima da mesa, vicissitudes e acontecimentos por debaixo da ponte. E hoje, de repente, aparece aqui uma reportagem sobre a experiência em Sheffield, seguindo a reinstalação de uma jovem somali que esteve durante dezanove anos (!) restrita a um campo de refugiados no Quénia. É o resultado desse trabalho. Não nos conhecemos, mas estamos ligados.

Não fiz esse trabalho sozinho; ele não começou comigo nem acabará comigo. Mas o vídeo é um presente merecido para toda a gente que lidou com este dossier. Vou esquecer nomes, mas aqui vai uma tentativa: Patricia van Peer, Chiara Tamburini, Marta Neves, Anje Bultena, João Macdonald, Geiziely Fernandes, Evalina Dias, Cláudia Oliveira, Ana Gonçalves, Mónica Frechaut, Johannes van Gemund, Petra Hueck, Thorsten Moritz, Steffania Pasquetti (in memoriam), Constança Urbano da REPER portuguesa e até o meu colega Carlos Coelho que me deu a dica inicial para rever o regulamento do Fundo Europeu de Refugiados. E agora é continuar a batalha para a meta de 20 mil refugiados reinstalados na UE, por ano, que o ACNUR considera realizável até 2020.

 

One thought to “Uma andorinha faz a primavera”

Leave a comment