A história registará a forma como tudo isto aconteceu, mas não compreenderá. Parece a obra de uma conspiração de irresponsáveis.

Ainda bem que Merkel e Sarkozy proclamam fazer tudo para salvar o euro e a União. Se fosse para destruir o euro e a União ninguém daria pela diferença.

Quando isto começou, há mais de ano e meio, só poderia ter havido uma mensagem da União: o euro é inexpugnável, ponto.

A bem do euro, qualquer dúvida sobre a solvência de um dos seus estados – no caso, a Grécia – teria de ser cortada pela raiz. Infelizmente, a Senhora Merkel tinha então umas eleições na província, e preferiu o provincianismo. Impediu qualquer resposta comum ao incêndio que começava a lavrar e ainda não resistiu a lançar gasolina para o fogo, com uns comentários infelizes sobre os países do Sul, lançando para a opinião pública alemã preconceitos que nunca mais ninguém conseguiu controlar.

O incêndio ganhou mais dois focos, Irlanda e Portugal. A Irlanda viu a sua economia contrair 15% e o desemprego subir sem parar (dizem que é um caso de sucesso!) e Portugal vai por um caminho desastroso (alguém que conheça o nosso país, ou mesmo alguém que olhe para onde ele fica no mapa, não pode imaginar que ele se torne “competitivo” sem investimento público para ultrapassar os seus bloqueios ao desenvolvimento — tudo o resto não passa de fé).

A cegueira, em Berlim mas não só, impediu que o incêndio fosse reconhecido como um incêndio. O que teria sido fácil e barato de resolver no início, e menos barato mas ainda realizável depois, tornou-se num desastre monstruoso capaz de nos engolir a todos quando a pressão se começou a sentir sobre a Espanha, a Itália, e até a França.

A história registará a forma como tudo isto aconteceu, mas não compreenderá. Parece a obra de uma conspiração de irresponsáveis.

Estamos agora na espera rocambolesca de uma cimeira que decorrerá hoje, no meio da habitual cacofonia e postergação. Mesmo que dela saia uma solução que “acalme os mercados”, temporariamente, nada nos deixa acreditar que quem não entendia a crise ontem a consiga entender amanhã.

Estando errados os pressupostos, dificilmente resultará qualquer das propostas que está em cima da mesa.

Comecemos pela mais evidente. O perdão parcial da dívida grega não pode ser contido à Grécia. Se alguém acredita nisso em Berlim, Paris ou até Lisboa é porque são mais ingénuos do que eu achava. No dia seguinte, qualquer português dirá “os gregos falsificaram as contas e têm um perdão das dívidas — então e nós que não as falsificámos?”. Essa reflexão quase impecável — se nos abstrairmos de Alberto João Jardim — rapidamente se tornará num clamor a que nenhum governo poderá resistir.

Segunda ideia. Recapitalizar os bancos pode evitar uma catástrofe no futuro imediato, mas não serve para evitar a catástrofe que já temos e continuaremos a ter. Como sempre, os bancos não passarão esse capital para a economia real, e a insolvência de pessoas, empresas e estados continuará a cavar um abismo por debaixo do sistema bancário.

Terceira ideia, aparentemente a favorita dos alemães: tornar o Fundo Especial de Estabilização Financeira num banco alavancado, numa seguradora ou num “veículo especial”. Pode ser resumida por estas palavras: vamos desintoxicar-nos comendo veneno.

Mesmo que venha desta cimeira uma ideia brilhante e salvadora, porém, não é perdoável o mal que esta gente já fez à União, e a países como o nosso.

4 thoughts to “Uma conspiração de irresponsáveis

  • Augusto Küttner de Magalhães

    Mais um texto muito oprtuno do Rui Tavares.

    um abraço

    a.küttner

  • Biltong

    Pois, vejamos cada inglês deve 77 mil libras e imprime-se papel com as fuças da rainha à fartazana

    o qué mau pois sa gaja morre só o custo de trocar de moeda vai ser um balúrdio, embora se bem me lembro nos anos 80 ainda havia moedas do tempo do pai a circular e já tinha quinado há 30 anos

    ora o ponto é
    muita nota suiça chinoca e com o Ben Franklin e inglesa por ai
    consta que as de 10 mil yenes e aquelas novinhas de 2000 yenes andam a saltar como loucas

    ora se o euro entrar na espiral impressora para saldar dívidas nesta fase…

    num sei se faço sintidu
    mas provavelmente ando à deriva como o resto

    já chegámos aos 7 mil milhões?
    o 7 mil milhões e 7 ainda fica com uma nesga de oceano ou vai logo para adubo?

    se for gaija vai engrossar a lista das fatalidades asiáticas?

    não é perdoável o que trinta anos de deixa andar fizeram à europa e áfrica acima e abaixo do Sahel
    mas adiante

  • Biltong

    o problema são os outros duzentos a trezentos milhões de não europeus nem americanos que compram moeda

    The Reserve Bank of India (RBI) on Monday fixed the reference rate for euro at 62.33 rupees and the reference rate for the U.S. dollar at 44.36 rupees.

    Enlarge Close
    (Photo: REUTERS / Yuriko Nakao)
    Japanese 10,000 yen notes are spread out next to U.S. 100 dollar bills at an Interbank Inc. money exchange office in Tokyo, in this September 9, 2010 file photo picture illustration.Related Articles

    Japan Intervenes to Tame High-Flying Yen Ahead of G20
    Dollar spikes vs yen on intervention, Asian shares fall
    The Bank of Japan intervenes in FX market
    Related Topics

    Japan India RBI Get IBTimesFx Emails&Alerts

    Get the sources most relevant to you and access information as it happens—from breaking forex news to updates from other traders. Sample

    The corresponding rates were 62.07 rupees per euro and 44.46 rupees per U.S. dollar respectively as against to the previous date on October 22, 2010.

    The exchange rates of pound and Japanese yen against to the Indian rupee is 69.9225 rupees per pound and 54.94 rupees per 100 yen, respectively.

    The corresponding rates were 69.9845 rupees per pound and 54.84 rupees per 100 yen respectively as against to the previous date on October 22, 2010.

    The reference rates are based on 12 noon rates of a few select banks in Mumbai

    isto há tanta especulaçãozita de laptop
    é ver essa malta nos comboios cafés a fazer uns 500 em trocas variadas

    e pelos hindus ainda andamos bem
    é sinal que não querem que deixemos de comprar
    estendem-nos o crédito e compram eurros

  • Biltong

    curioso também é se clicar aí no seu Miguel Portas blog list

    surge isso
    おまとめカードローン便利な使い方

    気付いたらローンがいっぱい!さぁ、おまとめだ!

    crédito e maneiras de pagar as dívidas…

Leave a comment