Anders Behring Breivik tencionava ser o contrário de Bin Laden. Na verdade, o mesmo fanatismo, organizado de maneira diferente.

Quando Bin Laden foi morto há uns meses atrás, muitos notaram que ele vivia praticamente como convidado do exército paquistanês. Alguns escreveram-no. Mas ninguém, ou quase, registou o significado por detrás desse facto, a saber: que a imagem do terrorismo com que tínhamos vivido durante uma década não batia certo com a realidade.

Essa imagem era a de que a Al Qaeda inaugurava um tipo de terrorismo novo, até então apenas visto nos filmes: o de uma organização não-estatal espalhada pelo mundo que usava o terror para atingir objetivos geopolíticos — o estalar de uma “guerra de civilizações” ao instaurar de um “novo califado”. Acreditámos nisso e, crucialmente, os seguidores da Al Qaeda acreditaram também.Na verdade, Bin Laden era um terrorista muito mais tradicional do que fomos levados a crer. Se virmos bem, ele sempre seinstalou e trabalhou com a conivência de estados e potências internacionais, servindo colateralmente os seus interesses. No Afeganistão, com apoio da Arábia Saudita e dos EUA, contra a URSS. No Sudão, cujo regime o aceitou e depois repudiou. No Afeganistão, com a cumplicidade ativa do Mulá Omar. E, finalmente, no Paquistão, trabalhando para desestabilizar o Afeganistão e chantagear os EUA.

Anders Behring Breivik, o terrorista que fez explodir edifícios do governo norueguês como manobra de distração para poder chegar a uma ilha e massacrar dezenas de pessoas num acampamento de jovens de esquerda, tencionava ser o contrário de Bin Laden. Num vídeo e num manifesto de baixa categoria que nunca teriam chamado a atenção de ninguém caso o seu autor não tivesse massacrado dezenas de filhos de outras pessoas, Breivik clamava contra os muçulmanos e declarava-se “monoculturalista”. Na verdade, o mesmo fanatismo de Bin Laden, organizado de maneira diferente.

Este terrorismo também não é novo (lembrem-se de Oklahoma), mas diferentemente de Bin Laden, não precisa da conivência de um estado ou parte dele. Uma organização terrorista grande dificilmente escapa à atenção de um estado — para a apoiar ou para a perseguir. Um atentado destes, a não ser planeado numa grande solidão ou num grupo muitíssimo restrito, dificilmente poderia passar sem ser descoberto.

Estas precisões são importantes para nos preparar para o debate necessário, mas recorrente, que aí vem.

Só mantendo a calma poderemos identificar as soluções que permitem salvar centenas ou milhares de vidas. Se tivéssemos avaliado corretamente a Al Qaeda teríamos percebido que para a resolver não precisaríamos de invadir dois países, mas de entender melhor um: o Paquistão. E se as polícias adaptarem os seus protocolos ao que aconteceu na Noruega (por exemplo, prestando mais e não menos atenção aos alertas aparentemente secundários quando um primeiro ataque terrorista poderá estar a servir de manobra de distração) podem salvar-se muitas vidas, sem custo para a democracia e as liberdades.

O resto compete a cada um de nós. O discurso intolerante e fanático encontra um solo fértil na negação da diferença e nas acusações que fomentam o medo. Na última década, o discurso anti-imigrante, anti-multiculturalismo e anti-esquerda usou e abusou de metáforas de risco e destruição (“querem destruir a Europa”, “estão a abusar da nossa paciência”, “são totalitários”) expressas em linguagem absolutista.

É preciso regressar ao espírito do pluralismo, que nos diz: eu prefiro uma sociedade em que estão todos um pouco errados do que a sociedade em que pelo menos uma pessoa detém a verdade absoluta.

11 thoughts to “Do fanatismo

  • Julio Marques Pequito

    Já tinha saudades da leitura semanal com que nos brindava antes da ida para o PE.A sua entrevista ao DN de 24 p.p. leva-me a desabafar!Sou, como você, um homem de esquerda e independente e é por isso que da entrevista os assuntos referentes à esquerda e Europa são os que de momento prefiro abordar.Permita-me,Rui Tavares que situe o nosso tempo de vida.Veja lá que quando nasceu já eu ia nos meus 45 anos…talvez, por isso, e até porque para mim os anos futuros são já tão escassos que tenho pressa em ver o sol brilhar..Não me quero alongar mas o Bloco:
    -definiu como inimigo principal o PS (1ª legislatura)
    -a estratégia básica era retirar a maioria ao PS(2ª leg)
    -finalmente para ultrapassar o PCP apresentar a moção de censura que a Direita agradeceu e aproveitou
    -não tem uma visão macro-económica global para o país,limitando-se ao blá-blá da Madeira e às taxas irrisórias pagas pela Banca
    -nem uma palavra como desenvolver um país com centenas de milhares de PME’s compostas em mais de 70% de patrões e trabalhadores que nem o 9º ano possuem(o 25 de Abril já lá vão 37 anos….)
    PS-Bloco e PCP como partidos serão incapazes de unir a Esquerda…só um Movimento para além deles o poderá fazer.
    Quanto à Europa…ficará para uma próxima oportunidade porque não desejo maçá-lo mais!
    Com os meus cumprimentos
    Marques Pequito

  • Paulo dos Meta Tarsos

    olhe que não

    O Chacal era um terrorista de aluguer

    a al-queda é mais uma filosofia que uma organização

    que haja estados que protegem certos guerrilheiros ideológicos
    isso desde a síria à URSS sempre houve (e nem meto o Líbio que ajudou até o pessoal de casamansa no barulho)

    http://www.blogger.com/profile/01572595170538342875

    é o perfil de Aga K. Amin um tipo de 49 ou 51 anos

    apesar de parecer ter mais de 60 ou 70

    que foi um dos homens de mão da CIA e de muitos grupos Bin y outros

    que tem um manancial de teorias…e de gosto por
    pornografia militarizada

    eu até decompunha a sua teoria com muitas falhas

    o terrorista que fez explodir edifícios do governo norueguês como manobra de distração para poder chegar a uma ilha e massacrar dezenas de pessoas …provavelmente ele esperava ter tido mais sucesso com a bomba

    um gajo que dispara quase 500 balas a 5 gramas por bala são 2,5 kg de munição

    para matar 76 pessoas é um atirador excepcional e com muita sorte
    ou que se treinou muito bem

    nos anos 80 um pelotão do exército mauritano

    para massacrar 100 berberes desarmados

    gastou mais de 60 mil projécteis (inclusive morteiros)
    e eram 10 para 100
    e foi num sítio assim quase que alemtejano mas com menos árvores

    e durou 2 horas

  • Paulo dos Meta Tarsos

    http://www.blogger.com/profile/01572595170538342875

    o link funciona ó euro dependente….induque-se

    se quiser tamém lhe arranjo um brigadeiro paquistanês na reforma

    s’inda não tiver sido assassinhado

    O discurso intolerante e fanático encontra um solo fértil na negação da diferença …

    presuponho que pretende negação

    em contraposicion com aceitação da diferença…

    mas o problema é esse a diferença tolera-se não se aceita…

    se por exemplo um gadjo como yo rondasse lo condomínio

    ocês chamavam la poliça

    pelo menos os das torres gémeas de Lisboa chamaram….

    gente com patilhame grande e cabelo oleoso e camisas pretas

    ou são fascistas ou são c…..(preencher com as vogais e consoantes necessárias

  • O fanatismo também nasce do medo

    Em 1990 algures no norte europeu tudo corria nice

    falava-se mal dos eurodeputados que ganhavam 20.000 marcos ou 8mil libras ou creio que 65.000 coroas que andavam a 30$ resumindo 2mil contos por mês

    mas havia um sentimento pró-europeu mesmo nos países que à data não pertenciam à dita união

    em apenas um ano tudo mudou…em Agosto Gorby foi à vida em 91 o óleo subiu de preço e as fabriquetas anti-ecológicas e dispendiosas em gasoil começaram a fechar

    e a gente estranha que falava português ou batak ou outro linguajar remoto começou a ser cuspida nas ruas

    pessoas com quem se jogava às cartas ou se emborcava gin ou outras mistelas passaram a olhar aqueles gajos como coisas e não como pessoas

    mais ou menos como agora passava-se a ser preguiçoso
    os próprios nacionais juntavam-se em grupos (os do porto desprezavam os de Estarreja os …enfim

    em 1992 a crise petrolífera imobiliária e industrial tinha-se desvanecido

    os técnicos começavam a migrar com as indústrias

    o pessoal começou a arranjar trabalhos nas comunicações e nas fabriquetas de brinquedos tecnológicos
    os computadores desceram dos mil marcos para os 900 e depois os 799

    e parecia que vinha uma nova era

    as rendas subiram…assim como o sentimente pró-europeu

    agora simplesmente…´voltamos à dura realidade

    não se formou uma europa unida para os tempos de adversidade

    e quanto a isso nada a fazer

    de resto fazer o quê né?

  • Tug of War

    Ou de forma mais sintética in William Graham

    THE DIES IRAE – Götterdämmerung
    EUROPE SAVAGE OR CIVILIZED?

    WHY IS THAT IS CRIMINAL IN ONE SOCIETY IS MANDATORY IN ANOTHER?

    THAT MANNERS OF REFINEMENT IN ONE GROUP ARE SHOCKING TO ANOTHER?

    THAT ONE AGE OF CIVILIZATION LOOKS BACK ON AN EARLIER AGE AS INHUMANE?

    ALL CUSTOMS AND MORES ORIGINATE IN BASIC HUMAN DRIVES AND NEEDS

    and so it goes

  • Tug of War

    WHY IS THAT WHAT IS CRIMINAL IN ONE SOCIETY IS MANDATORY IN ANOTHER?

    faltou um what

    é o que falta neste caso Fanatismo what?

    é tentar compreender as raízes

  • Tug of War

    antes de se rotular

    sim já sei é um cliché…dizem-me dessas há décadas

    sou um cliché ambulante feito de clichés passados de moda

    é o fado

  • Augusto Küttner de Magalhães

    Bin Laden foi mesmo morto há 3 meses atrás? Já não estaria morto há muitos mais meses?”

    Ou anos????? Ou até preso, ou nem ainda morto???

    Pareceu muito oportuna a morte há 3 meses atrás, para dar possibilidade aos EUA alegarem, que vão deixar de ajudar o Paquistão e podem sair do Afeganistão! Por certo não há coincidencias! ou haverá?????

  • Silvino Oliveira

    Caro amigo:
    Primeiro teremos que verificar a distancia a que fica Bruxelas da cidadania europeia.
    Depois de bem medida, verificar da possibilidade de ouvir a cidadania.
    Se for possível ouvir e entender a cidadania, tomar em conta as suas preocupações,agir em consequência da consulta e construir a ideia de que é possível um cidadão ser ouvido, levado em conta pacifica e responsavelmente para que não se afaste da vida democrática.
    Se a cidadania tiver a consciência de que não é levada em conta, vai, mais dia menos dia, sozinha ou acompanhada, fazer o barulho que achar necessário até que os políticos digam que mesmo sobre pressão, vão ouvi-la.
    Os caminhos até agora seguidos, dizem que, os silêncios sociais não são levados em conta por ninguém assim, estamos a verificar as consequências do barulho.
    Não creio que algo mude para melhor na representação do cidadão, assim, o fenómeno tem pernas para andar, agigantar-se e, quiçá, invadir a paz europeia e substitui-la, porque será?

  • JPAfonso

    “Só mantendo a calma poderemos identificar as soluções que permitem salvar centenas ou milhares de vidas. Se tivéssemos avaliado corretamente a Al Qaeda teríamos percebido que para a resolver não precisaríamos de invadir dois países, mas de entender melhor um: o Paquistão”

    Não obstante concordar com a generalidade do seu post, parece-me que há nisto um pouco de esquecimento histórico, mais desejo do que factualidade. O que me parece que se se esquece aqui é que o “problema” da Al-Quaeda, não era um “problema” isolado. Por exemplo, lembro-me de relatos que dizem que os Taliban ofereceram Bin Laden aos EUA (os que desencantei entretanto falam apenas duma oferta para julgar Bin Laden). Se se tivesse seguido essa via, e ela tem sucedido, Bin-Laden já era, o problema da Al-Quaeda teria terminado ali, e o Afeganistão talvez tivesse sido reintegrado na comunidade das nações e se tivesse moderado (muito à maneira do Irão quando o seu revolucionarismo se aburguesa). À altura, o propósito do Afeganistão era eliminar um pretexto para a guerra, e como se depreende, houve uma escolha dos Estados Unidos em não perder esse pretexto. Isto ainda se torna mais evidente aquando nos preparativos da guerra do Iraque se inventa todo o tipo de suspeitas aliando a Al-quaeda ao regime Saddam Hussein (quando os dois não se podiam ver à frente)… mais uma vez aquela organização a funcionar como pretexto.

    Isto pode parecer uma teoria conspiracionista qualquer, mas acredito que não é: o seu texto encara o problema da Al-Quaeda como um problema de polícia (e eu concordo, devia sê-lo), mas antes de analisar o que se passou desse ponto de vista, seria avisado nos lembrarmos que o problema também foi visto como uma oportunidade, fornecendo pretextos para interferências e influências… e não só no Paquistão.

  • Mark Kitson

    Hiya very nice web site!! Man .. Excellent .. Amazing .. I will bookmark your site and take the feeds also¡KI’m satisfied to find so many helpful information here in the publish, we want develop extra strategies on this regard, thank you for sharing. . . . . .

Leave a comment