Até final de Junho publicarei um regulamento no meu blogue, ruitavares.net (os interessados podem escrever para bolsas@ruitavares.net). Entre Julho e Setembro, candidaturas. Primeiras bolsas em Outubro.

A crónica de hoje ė um pouco diferente, tenham lá paciência.

As bolsas de estudo são importantes para a sociedade e por acaso para mim também. O que devo às bolsas de estudo ainda não acabei de pagar, e há uns tempos tive uma ideia: tirar uma bolsa do meu bolso. Não o faço para dar a ninguém lições de política, redistribuição, caridade ou o raio: faço-o porque quando satisfazemos um capricho nos sentimos mais livres e porque este é o momento adequado.

Uma bolsa pessoal não substitui as bolsas do estado, das universidades ou das fundações. Pelo contrário, acho que a nossa política de bolsas é insuficiente, e tenciono exigir mais (e não menos) depois disto. Uma bolsa pessoal, porém, permite coisas que uma bolsa institucional não pode fazer: é mais flexível e imprevisível. No meu caso, mais simples também: tiro 1500 euros por mês para uma conta-poupança e abro candidaturas no meu blogue. Estas bolsas não têm limite de idade, nem critérios de nacionalidade, nem restrições temáticas.

Interessam-me tanto perfis quanto projetos. Pode ser o adolescente timorense que quer fazer um estágio em Portugal. Pode ser o jornalista que tem um projeto de investigação que o seu jornal não pagaria. As candidaturas podem ser nas áreas em que trabalho no Parlamento Europeu – liberdades e direitos civis, educação e cultura, política urbana, refugiados – ou não. Podem ser nos meus temas de estudo — História, História de Arte, o iluminismo – ou não. Podem ser sobre algumas das minhas predileções — história do anarquismo e do pensamento libertário, a esquerda portuguesa desde os setembristas – ou talvez nada disto. Projetos das humanidades, artísticos, literários, científicos, políticos, humanitários, ativistas. Tanto faz. E, ah, eu vou ter de gostar da ideia. O júri sou eu mesmo.

Questões práticas. Até final de Junho publicarei um regulamento no meu blogue, ruitavares.net (os interessados podem escrever para bolsas@ruitavares.net). Entre Julho e Setembro, candidaturas. Primeiras bolsas em Outubro.

O dinheiro dá para uma bolsa grande ou mais bolsas pequenas. O remanescente pode servir para extras (bilhetes de avião, seguros de saúde). Para atingir mais projetos, eu privilegiaria bolsas de duração curta (entre um trimestre e um ano). As candidaturas podem ser apresentadas pelo próprio, uma instituição ou pequenos grupos com projectos bem delimitados. Para a coisa ser séria, vai ser preciso apresentar documentação e assinar um contrato; para ser transparente, publicarei tudo no blogue.

Porque divulgo isto? Para garantir qualidade. Quanto mais candidaturas, mais hipóteses de boas candidaturas e mais hipóteses de colaboração com parceiros que ajudem a fazer deste capricho uma coisa com cabeça tronco e membros. Esta bolsa não irá para amigos ou conhecidos (nem para funcionários do parlamento europeu, assembleia da república ou Bloco de Esquerda, embora os militantes possam concorrer, ao contrário do que foi erradamente anunciado). Também me reservo o direito de não atribuir ou cessar a bolsa caso não haja projetos de qualidade ou os termos da candidatura não estejam a ser cumpridos.

Que têm a ver com isto o Público e os seus leitores? Bem, o Público aceitou ser parceiro recebendo um dos primeiros bolseiros (se houver candidatura compatível) e deixando-me divulgar a ideia aqui.

E é tudo. Não sei o que vai sair disto que, para ser realista, é quase nada. Mas eu gostei da ideia e estou contente com isso. Disse um jornalista que pode ser demagogia mas não é barata, o que já me fez rir. E quarta-feira a coluna volta ao normal, com uma crónica sobre a Turquia.

21 thoughts to “Um capricho

  • Frederci Brandão

    Bem. Bela ideia sem dúvida. Vou já preparar três ou quatro ideias para apresentar.
    Abraço

  • Maria Estácio

    Agora n tenho tempo de ler.
    És filho do sol,Rui… Mas a terra precisa da lua para se centrar e ser.

  • Isabel

    Ora aí está uma coisa que compreendo: eu própria já pensei muitas vezes que, tendo dinheiro, é algo que gostaria de fazer. Vinda de uma família humilde, as diversas bolsas e apoios de que pude usufruir permitiram-me conhecimentos e experiências que, de outra forma, me estariam vedados. Continuo apenas precária, mas pelo menos posso comer, trabalhar no que gosto, e ainda fazer algumas poupanças. Todo um privilégio, nos dias que correm…

    Votos de boas candidaturas, porque precisamos de gente com boas ideias. Parabéns pela iniciativa, a qual não reduzindo os precários, aumenta as probabilidades destes fazerem o seu bom trabalho com menos exploração patronal.

    Um abraço

  • Uma Senhora de Idade Que Passou Por Aqui

    Uma excelente ideia, e aquilo a que se poderia chamar convencionalmente “um gesto bonito”.
    Aplaudo a iniciativa, porque em Portugal não é comum. Seria bom haver mais gente “caprichosa”.
    Gestos filantrópicos, desinteressados, apenas “porque sim” – nos antípodas da “caridadezinha” ou do “dá-me um porco que eu dou-te uma chouriça” são, na nossa sociedade “pequenina”, ainda mais louváveis.
    Permita-me que o felicite! 🙂

  • adivinha quem

    Cuidado com os olhinhos, não te vão varrer o cérebro ao contrário, pá!

  • Aurora

    Espero que esta iniciativa sirva de exemplo e inspiração para outros que possam fazer o mesmo.
    Não vejo nenhuma demagogia nisto. Vejo sim um gesto de enorme generosidade e de grande consciência cívica e social. Desejo muita sorte para este projecto e que haja muitas e boas candidaturas! Os meus sinceros parabéns!

  • Maria Estácio

    Outra coisa q gosto mt em ti,é a seriedade e compromisso com ‘causas’,solidárias e colectivas. O teu empenho nelas e persistência.
    Faz de ti um homem mt bonito.

  • Maria Estácio

    Não lhe chamaria um capricho…q é mais uma arbitrariedade egoísta e infantil(óide),n é?
    Não sei donde te veio isto,mas é mt bonito e útil.

  • Já se sabia que você é inteligente e boa pessoa. Não se sabia que era assim tão boa pessoa.

    Falta-lhe só perceber que a riqueza não cai do céu aos trambolhões. É preciso criá-la e quem a cria é uma coisa que se chama empresa.

    Um abraço de grande respeito e admiração

  • Augusto Küttner de Magalhaes

    Boa ideia.

    abraço

    Augusto Küttner de Magalhães

  • Augusto Küttner de Magalhaes

    RUI TAVARES NO PÚBLICO DE 09.06.2010

    Mais uma ecelente Cronica no Público.

    Uma abordagem muito oportuna, muito real, muito necessaria, à Turquia, hoje.

    Excelente.Felicito-o

    um abraço

    Augusto Küttner de Magalhães

  • Paulo F. Silva

    Já o disse noutras paragens, mas repito. Trata-se de uma iniciativa notável e que só posso aplaudir. E que, ainda por cima, tem o condão de nos deixar a pensar na imensidão de acções concretas que algumas pessoas em Portugal, não os eurodeputados e deputados, poderiam desenvolver…

  • costa

    Olha este filho da puta de comuna….!

  • Carlos Miguel M. Correia

    Olá Rui, hoje tive o privilegio de o ouvir na reportagem que deu na TV. Fiquei admirado pela iniciativa e inteligência que demonstrou nas suas palavras direccionadas a todos que tenham ideias, vontades e fome de mais informação e não esperem de braços cruzados que lhes surja alguma coisa.
    Também partilho da mesma opinião sobre a precariedade no trabalho para os jovens neste pais, pois tal como o Rui no passado, sobrevivo a passar recibos verdes, procurando sempre um contrato de trabalho que me dê oxigénio para voos mais longos, enfim …, CONTE COM O MEU PROJECTO.

  • Kattia

    Parabéns!

    Sem cunhas…
    livre…

    Uma lufada de ar fresco neste ar tão enrarecido…
    Que sejam muitos a seguir o teu exemplo.

  • Mafalda Rodrigues

    Em primeiro lugar gostava de dizer: Obrigada!

    Como jovem recém licenciada e preocupada com o futuro, não posso deixar de aplaudir esta iniciativa. São estas ideias que mantém a esperança de que se trabalharmos para a mudança, um dia ela chegará.

    Irei sem dúvida apresentar uma candidatura! São estas ideias irreverentes que fornecem a base para evoluir!

  • alda coelho

    Queria congratulá-lo pela excelente iniciativa, que foi para mim como uma luz ao fundo do túnel, uma vez que me foi oferecido um lugar para realizar um mestrado no Reino Unido mas, a extinção de bolsa de mestrado pelo FCT desde a entrada em vigor do Tratado de Bolonha e a opção da generalidade das fundações e instituições nacionais de atribuirem bolsas apenas a áreas científicas e tecnológicas altamente lucrativas, excluindo outras áreas de investigação como a arquitectura e o urbanismo (o meu caso) tem-me impossibilitado tão só de me poder candidatar a qualquer tipo de apoio.

    Perdoe-me o desabafo, fico a aguardar a publicação do regulamento.

  • joão

    Um gesto altruísta que, bem difundido, pode impedir que morram muitos projectos mesmo antes de nascerem. Eu sou o último de três irmãos que já saíram de Portugal – sei quão bem eles estão e o impulso que teriam se tivessem tido uma oportunidade destas 🙂

    O próximo sou eu, espero.

  • Paulo F

    Olá, Rui.

    É uma grande iniciativa. Fiquei com vontade de me candidatar, mas apenas e só com vontade. Não tenho perfil que se insira nos parâmetros, com grande pena minha. Fico-me com o prazer de fazer fotografia – anónima e por “hobbie”, pessoal, intimista, descomprometida e livre – e com o sonho de poder ter sido um Koudelka, o meu “mais-que-tudo”. Passou o tempo, quem sabe de um dia serei um Carl Fredricksen (“Up, Altamente!”)…
    Parabéns pelas suas crónicas, de que sou leitor assíduo (ah!, a do Rui Pedro Soares!).
    Cumprimentos,
    pf

  • Portela Varandas

    Finalmente, uma lufada de ar fresco !!!!….
    Algo que tornou apetecível, despertar em 1 de Julho de 2010, não obstante as contrariedades acumuladas ….
    Não, não tenciono candidatar-me, falta-me o engenho e a arte …., mas poder apreciar o desenrolar de “um capricho de alguém, que poderá determinar a mudança dum outro ser e a forma de perpectivar o universo que o rodeia”, isso sim, apraz-me de forma soberba, principalmente se divergente dos cânones intituídos, que o será decerto !!!!
    Parabéns pela iniciativa.
    M.

  • Neusa

    Tive conhecimento desta noticia pela TV no entanto não acreditei pois é raro alguem ter uma ideia altruista que visa beneficiar os que necessitam e tem cede de empreender no seu futuro…Considero-me ser uma pessoa que pretende investir no seu futuro e neste sentido vou pensar nun projecto e me candidatar…Um muito obrigado pela sua iniciativa que nos dá alento na nossa busca pela cede do saber.

Leave a comment