Uma história plausível não é nunca suficiente para condenar um cidadão, mas é mais do que suficiente para fazer um primeiro-ministro perder a confiança dos outros cidadãos.

Então é assim que Sócrates acaba.

Faz sentido. A imprensa foi sempre a sua grande fraqueza e — pelo menos após o “caso da licenciatura” — a sua grande causa de descontrole emocional. Várias vezes ele foi prevenido, mas de nada serviu. E assim se perdeu.

Não gosto de ver isto acontecer. Tenho amizade por Sócrates — se é adequado escrevê-lo aqui importa-me agora nada. Sócrates é de centro-esquerda, o que significa que estando eu muito à sua esquerda, significa também que ele não é completamente alheio à minha “família”. Não retiro nenhum prazer da sua queda, e Zeus sabe como já me diverti a ver cair outros políticos. E acima de tudo, sinto-me absolutamente exterior a uma agressiva arena feita de “anti-socráticos” para quem tudo vale desde que atinja em cheio o alvo do seu ódio e de “socráticos” para quem nunca nada se passa de errado, nada é irregular, nada se pode saber nem comentar. Nem esclarecer: se formalmente só há o “nada”, como se pode esclarecer o nada?

Para uns nenhuma formalidade vale, para os outros só as formalidades valem.

Ouçam, uns e outros: eu não preciso de escutas — legais ou ilegais — para decidir sobre atos — legais ou ilegais — do primeiro-ministro. Nunca precisei. Quando critiquei o primeiro-ministro por causa da maneira como ele lidava com a imprensa, foi sempre até por causa de algo que ele tinha feito ou dito de forma inteiramente legal e legítima. E perguntavam-me: mas não tem um primeiro-ministro o direito de processar jornalistas ou a necessidade de exteriorizar a sua cólera quando se sente injuriado? Os processos ou os exabruptos contra jornalistas não são ilegais.

Mas há vários problemas, respondia eu. Nem tudo o que é legal é legítimo; nem tudo o que é legítimo é correto. Isto é verdade para o mais insignificante dos cidadãos, e muito verdade para um primeiro-ministro.

O primeiro e mais grave problema é que um primeiro-ministro dá ao resto da cadeia de comando — na administração, no seu partido e nas suas clientelas — o sinal de que é desejável assediar ou controlar a imprensa.

O segundo é que se tornam plausíveis todas as histórias sobre o primeiro-ministro e o desejo de controlar a imprensa. Para lá de todas as formalidades, as recentes especulações sobre uma rede em torno do primeiro-ministro, e com o objetivo de controlar a imprensa, são então isso: perfeitamente plausíveis.

E aí entra o terceiro problema. Uma história plausível não é nunca suficiente para condenar um cidadão, mas é mais do que suficiente para fazer um primeiro-ministro perder a confiança dos outros cidadãos.

Isto sempre foi uma possibilidade. E foi isto — cada um destes passos — que agora sucedeu.

***

Teoricamente, resta uma opção a Sócrates. Diz-se num parágrafo:

“Caros concidadãos: sem prejuízo da presunção de inocência das pessoas em concreto, quero repudiar aqui — no caso de se confirmar — a utilização do meu nome para quaisquer tentativas de compra ou controlo de grupos de media. Nunca dei, pessoalmente — sublinho, pessoalmente, já para não dizer política ou institucionalmente —, quaisquer indicações nesse sentido a Armando Vara, Paulo Penedos ou Rui Pedro Soares. Quaisquer diligências que eles possam ter feito com esse objetivo são gravíssimas e ilegítimas.”

Se Sócrates não pode dizer isto — ou se em consciência sabe que não pode dizê-lo, o que deveria ir dar ao mesmo — deve começar a preparar-se para não afundar consigo o seu partido, o seu governo e o seu país.

[do Público]

10 thoughts to “O fim

  • Maria Estácio

    Ámen. À excepção da simpatia q não tenho pelo dito e sem renunciar ao pensamento autónomo e crítico. Qt às consoantes mudas,nunca sairão da minha escrita.

  • fernando f

    Padeço do seu mal, só que na questão parental, embora mal o conheça, somos quase irmãos,digo quase porque ele inclina-se mais para a direita, e gostava, gostava de lhe ter escrito uma “carta”, nos justos termos do seu texto.

  • Joaquim Ferreira

    UMA TEMÁTICA À PARTE… OU NEM POR ISSO… Perdoem-me mas não a posso deixar passar despercebida.
    Trata-se de uma mensagem dirigida a todos os portugueses interessados em mais justiça, mais transparência, mais exigência na dedicação e empenho na por parte dos Políticos Portugueses na construção de um país mais justo. Vamos Mudar a Politiquice em Portugal…
    Numa época em que cada vez mais se fala na necessidade de avaliação de todos, o exemplo deve começar por cima, isto é, pelos próprios políticos, únicos “empregados” que devem servir o Povo Português, mas que decidem o seu próprio salário.
    Vamos nós determinar quanto podem receber. Eles são nossos funcionários… E foram candidatos porque quiseram…
    Por isso, está online uma petição que valerá a pena… Basta que os portugueses queiram que seja uma realidade… Não há mais lugar para ataque aos vencimentos dos políticos se esta petição morrer pelo caminho. Chegou a HORA DA VERDADE… Vamos colocar os políticos AO SERVIÇO DO PAÍS e não a SERVIREM-SE DO PAÍS.! Leiam… Petição Por Políticos Mais Responsáveis.
    Se é contribuinte neste país e sente-se “assaltado” ou simplesmente “escandalizado” com o que se paga como salário e ajudas aos políticos? Vamos colocar uma ordem nisto… Que os que servem o povo sejam reconhecidos pelo que fazem… avaliados e como tal, merecedores do que recebem… Está uma petição on-line disponível.
    Aqui fica o link da Ler a Petição . Por favor, leia a petição até ao fim… Cremos que vale a pena! Para assinar, existe um botão que abre a janela ou então, volte aqui e escolha Assinar a Petição “Por Políticos Mais Responsáveis”..
    Este é um assunto diferente do tratado. Mas creio que merece ser divulgado… Perdoem-me este pequeno abuso…
    Não Calarei A Minha Voz… Até Que O Teclado Se Rompa !

  • Francisco Castelo Branco

    Caro Rui Tavares

    ele nao caiu.
    Provavalmente nao vai cair até as proximas eleiçoes em 2013. Ate porque ele depois de 2013 nao se pode candidatar a secretario geral do PS….

    Mas o homem tinha que ser descoberto em relação a isto tudo. De uma vez por todas.
    Até porque é bem capaz de ter parado por aqui…

  • Nuno Ferreira

    Caro Rui,
    como disse Francisco Castelo Branco ele não caiu, a novela ainda vai a meio, apesar de não concordar que Sócrates seja centro-esquerda, mas sim um liberal, parece-me que mesmo com os casos todos conhecidos e as ligações perigosas que alegadamente tem, o PM lutará por ficar no poder até ao fim, como é seu apanágio.
    O poder é muito apetitoso, e como diz o povo corrompe, penso que o mais preocupante é termos um governo fragilizado por causa de um PM que não tem condições para continuar, e de um Partido Socialista totalmente seco de alternativas e de ideias…
    Por fim, o cenário da vida real, o dia a dia é muito preocupante, temos Portugal com uma taxa de desemprego nunca vista, sem perspectivas e sem futuro, se continuarmos a funcionar como até aqui.
    Os donos da Europa continuam as suas reformas liberais, de jogos privados e a tratar da sua vidinha,em que vale tudo, e se vai incutindo o culto do culpado de uma forma sorrateira dos males da sociedade, neste caso, começamos por elo mais fraco – os emigrantes…

  • Américo Brandão

    Uma nota sobre o outro lado da questão da liberdade e responsabilidade.
    Quais as consequências, de se admitir que a coberto da liberdade de informação,
    sejam feitas “perguntas” e levantadas “dúvidas”, que são autênticas acusações. Então não há responsabilidade, por insinuações transvestidas de perguntas ou comentários inocentes? Um exagero!
    O despudor a que me refiro, é tão patente e incompetente, que lhe reconheço a utilidade de aviso de que o ataque à liberdade, também surge camuflado-ainda que mal-de boas intenções.
    Toda a vida fui bem de esquerda, e por isso somos sensíveis à “luta política” com falta de ética.
    Américo Brandão

  • Acto

    Não é descontrole, é descontrolo. Por causa do descontrolo.
    Escrever calinadas parece, de facto, um bom motivo – para além de outros mais tropicais – para aderir ao acordo ortográfico.

  • Maria Estácio

    Todos nós cometemos dislates (mt + graves e até contra nós ) e erros ortográficos tb [(acontece ‘aos melhores'(e a todos os q têm apreço e cuidam da língua)] e estou certa de que não é esse o motivo de R.T..Além do mais,já em primeira análise, sei que não é de ‘avaliar’ uma pessoa exclusivamente pela ‘correcção linguística’. Qt ‘à questão de fundo’, fundos e variados serão os motivos da adesão ou não, ao acordo ortográfico.

  • Maria Estácio

    Há um ( a mais no texto anterior.

  • João Sequeira

    “Escrever calinadas parece, de facto, um bom motivo – para além de outros mais tropicais – para aderir ao acordo ortográfico.”
    Caro Acto: cuspir para o ar dá nisto. Saiba que “descontrole” ou “descontrolo” querem dizer rigorosamente o mesmo – e ambas as palavras estão gramaticalmente correctas, como diz qualquer dicionário decente (por exemplo o Periberam da Porto Editora, que está online, para não ir mais longe). Mas que isso não seja motivo para nos distrairmos do essencial, que é esta análise muito certeira daquilo em que, para nosso mal, se tornou o PM.

Leave a comment