Desde que nasci que ouço falar do Afeganistão. E creio que só agora estou a ouvir uma afegã — mulher, democrática, e muito corajosa — dizer o que não se deve fazer à sua terra.

Em todas as guerras acontece isto: a morte de um soldado ocidental, particularmente no início, merece primeira página nos jornais e longas transmissões nos telejornais. A morte de muitos civis do país invadido, particularmente quando se banalizam, torna-se invisível e inconveniente, um assunto desagradável de referir. E, se é desagradável, rapidamente deixa de ser referido.

Sabemos que é assim. E também sabemos que não pode ser bom que seja assim. Podemos justificá-lo com muitas razões. Mas sabemos, no fundo de nós, que são justificações que não nos satisfazem. Podemos até habituar-nos. Mas sabemos que há algo de profundamente errado e imoral em ignorar a morte e o sofrimento no país invadido. E, porém, sabemos que o fazemos. E raramente surge uma pessoa que nos obriga a encará-lo.

***

Este fim-de-semana ouvi uma mulher de 31 anos, chamada Malalai Joya, dizer algo como isto: “o povo afegão — o meu povo — sangra e sofre como qualquer outro, mas o sofrimento dele tornou-se invisível, porque não se pode questionar a ocupação”.

Talvez fosse fácil desvalorizar as palavras dela se Malalai Joya fosse uma fundamentalista ou uma herdeira dos taliban. Nem vale a pena ir por aí, porque não é. Deputada na Assembleia Constituinte aos 25 anos, não esteve lá para compor o ramalhete; fez um discurso em que se perguntava como seria possível reconstruir o Afeganistão colocando os “senhores da guerra” no poder. Numa assembleia em que até essa expressão era tabu, Malalai Joya foi imediatamente expulsa. Eleita na sua província, regressou ao parlamento, mas tem vivido clandestina, sob ameaças de morte e suspensões. Aos taliban chama assassinos de mulheres e gente “medieval”. Até aí tudo bem. Aos governantes chama corruptos e coniventes. Até aí, menos mal. Mas não poupa os ocidentais — e é aí que a coisa começa a complicar-se.

Ao ouvi-la, pensei: desde que nasci que ouço falar do Afeganistão. Há sempre uma guerra por lá — a dos soviéticos, a guerra civil, o regime taliban, a invasão ocidental. Já ouvi russos, americanos e ingleses — e até iranianos e paquistaneses — explicar o que se deve fazer ao Afeganistão. E creio que só agora estou a ouvir uma afegã — mulher, democrática, e muito corajosa — dizer o que não se deve fazer à sua terra.

Entretanto, a situação no país está cada vez mais igual — como dizê-lo? — igual ao que sempre foi. Além dos senhores da guerra e dos corruptos, até os taliban são cooptados para entrar no poder. Os democratas — a própria Malalai o afirma — contam-se pelos dedos das mãos e só seriam apoiados se dissessem o que queremos ouvir. A fraude eleitoral faz-se nas barbas dos aliados e a guerra, se não lhe quiserem chamar perdida, pensem então nisto: nem sabemos o que seria uma vitória ali. E esta situação intratável é aquilo que nós somos chamados a preservar.

Às alternativas de Malalai não se pode chamar solução: pedir desculpas aos afegãos, retirar tropas, impedir a participação das potências vizinhas em forças de paz, apoiar o desarmamento, a escolarização e as forças democráticas incipientes. São caminhos difíceis, e com prognóstico muito difícil.

Mas o caminho actual não presume alternativas e, como tal, está a tornar-se numa edição refundida e ampliada de todos os erros e disparates do passado. Quanto mais tarde o reconhecermos, pior será.

4 thoughts to “Uma afegã

  • Nuno Ferreira

    Caro Rui,

    concordo com a reflexão, esta é a guerra que ninguém liga, que ninguém quer resolver…
    O problema é que o ocidente pensa que a sua democracia pode ser imposta à força, como se os povos e as culturas fossem todas iguais.
    E normalmente nomeia governos fantoches e corruptos para apoiar esta politica, a solução passará pela saída do país das tropas da NATO, a criação de um governo de transição com o apoio da ONU, incrementar o combate à plantação do ópio e auxiliar a recuperação dos milhares de dependentes existentes no país, promover a escolarização da população e a produção de comida, e especialmente criar pontes de apoio junto dos grupos étnicos e dos seus responsáveis religiosos que sejam moderados. Uma força militar a suportar esta transição, só no quadro da ONU e composta por muçulmanos, especialmente de paises vizinhos e amigos da nação afegã.

  • Augusto Küttner de Magalhães

    Caro Rui Tavares

    Achei excelente este seu texto, mas preocupante, porque basicamente nos encosta a um impasse. Muito há ainda, com verdade, falar do Afeganistão.

    um abraço

    Augusto Küttner de Magalhães

  • Claudia

    Creio que os pifiossronais de comunicação devem se expressar de forma livre com a responsabilidade de quem sabe ser formador de opinião e que pretende evitar os exageros da internet.

  • fashion

    Youre so cool! I dont suppose Ive learn something like this before. So nice to find someone with some authentic thoughts on this subject. realy thank you for starting this up. this web site is one thing that is needed on the web, somebody with a little bit originality. helpful job for bringing one thing new to the internet

Leave a comment