Mas depois de reconhecer os nossos limites, é preciso notar como estes medonhos massacres em Bombaim assinalam os limites de todas as abordagens anteriores.

 

Numa entrevista recente, um jornalista da Time perguntou a Obama sobre o Afeganistão. Obama respondeu e acrescentou algo sobre o Paquistão, algo mais ainda sobre a conflituosa história das relações entre o Paquistão e a Índia, e finalizou expondo algumas ideias sobre o mais perigoso impasse entre estes dois últimos países — Caxemira. Em cada um dos passos procedeu da mesma forma, reconhecendo primeiro as dificuldades inerentes e depois as oportunidades de resolução que identificava. Sugeriu, por exemplo, que os EUA dedicassem influência suficiente para ajudar a falar de Caxemira — talvez enviando Bill Clinton como emissário — porque a obtenção de um esboço de solução poderia ajudar a Índia a confirmar o seu estatuto de potência emergente e o Paquistão a concentrar-se na fronteira com o Afeganistão.

Trata-se de uma cadeia de problemas bicudos, e nenhum fácil de abordar, quanto mais de resolver. Mas duvido que muitos professores de Relações Internacionais a conseguissem resumir de forma mais eficaz. Após os ataques a Bombaim, na semana passada, é bom saber que está na Casa Branca alguém que aprende rápido.

 

Mas agora vem a melhor parte: essa entrevista de Obama não foi dada após os ataques a Bombaim. Foi dada há mais de um mês, ainda antes das eleições americanas. O novo presidente americano é alguém que sabe o suficiente sobre um conflito obscuro para entender que o mundo respirará de alívio se for possível diminuir a tensão entre duas potências nucleares — o Paquistão e a Índia — e ao mesmo tempo ajudar a primeira a lidar com o viveiro de terroristas que tem na sua fronteira com o Afeganistão.

 

***

 

Este episódio ajuda, creio eu, a responder aos oráculos da desilusão com Obama, — de esquerda e de direita.

 

A primeira resposta é: comparem e vejam do que nos safámos. Anos depois do 11 de Setembro, George W. Bush ainda não sabia que existiam sunitas e xíitas, muito menos qual era a diferença entre ambos. E poucos meses antes das eleições, John McCain acusava o Irão de apoiar a Al Qaeda, ignorando que (desde logo por serem xíitas e sunitas, respectivamente) uns são inimigos mortais dos outros. Afinal de contas, eleger um intelectual não pode ser tão mau quanto isso.

 

A segunda resposta vai para aqueles que se surpreenderam com a nomeação de Hillary Clinton para chefe da diplomacia americana. Como vimos pela sugestão de usar Bill Clinton em Caxemira, estas ideias já andavam na cabeça de Obama há algum tempo, e fazem sentido — trata-se de elevar a fasquia da visibilidade e da responsabilidade para todos os actores em causa.

 

Até aqui tudo bem. Agora vamos ao lado chato. Logo quando deu essa entrevista houve reacções de políticos indianos que não gostaram de ver misturado o problema de Caxemira com o do Afeganistão, e que não têm qualquer vontade de ver políticos famosos interferirem no que consideram ser um assunto interno.

 

Os problemas bicudos não se resolvem com uma boa ideia. Mas depois de reconhecer os nossos limites, é preciso notar como estes medonhos massacres em Bombaim assinalam os limites de todas as abordagens anteriores. Os fundamentalistas muçulmanos, hindús ou neo-conservadores continuarão a sonhar com a força militar como forma de resolver conflitos. Mas como, quando a Índia tem quinze por cento de muçulmanos e o Paquistão tem armas nucleares? O resto do mundo entenderá que a solução vai ter de passar por reconstruir confiança com o mundo muçulmano quando possível, para isolar aqueles com quem reconstruir confiança não é de todo possível.

 

 

[do Público]

4 thoughts to “Limites e soluções

  • fernanda fragateiro

    Rui,

    depois de ler a sua crónica no público (dia 3 dez), ocorreu-me reenviar-lhe um texto que enviei para a c.m.l há uns dias atrás, a propósito de um questionário que eles me enviaram. foi bom ler o que escreveu! salvou-me o dia. eu sou escultora. tenho desenvolvido alguns projectos de intervenção em espaços urbanos.

    “ESTRATÉGIAS PARA A CULTURA EM LISBOA”

    1ª SESSÃO DE TRABALHO – 22 DE NOVEMBRO DE 2008

    Quais os principais problemas com a cultura na cidade de Lisboa?

    1 –a c.m.l parece entender a cultura unicamente como “actividade” e não como forma de ver, de sentir e de estar. assim impede que se desenvolva um projecto cultural contemporâneo para a cidade de lx. A cidade está refém de uma ideia de “animação” do seu espaço. é com enorme desanimo que vejo o tratamento dado a espaços urbanos nobres: o rossio, terreiro do paço, marques de pombal, foram nesta época natalícia, alvo de ocupação selvagem por parte de empresas comerciais, que convertem espaço público em espaço privado, publicitário e de mau gosto, destruindo as qualidades dos lugares.
    2 Para mim, o principal problema está na falta de noção de que a cidade é em si, um espaço cultural. Que a arquitectura e paisagem de uma cidade tem de ser vistas como espaço comum, que pertence a todos os cidadãos, que dele têm de cuidar. Para isso é preciso que a autarquia seja o primeiro a dar o exemplo.
    3 –Faltam condições que potenciem trabalho e discussão ao nível da arte e das ideias. Lisboa não é uma cidade amiga ou atractiva para jovens artistas ou investigadores, ao contrário de Berlim (por exemplo). Poucos são os espaços que promovam troca de experiências ou conhecimentos. espaços flexíveis, informais, que não exijam aquilo que um espaço museológico existe.
    Que soluções/medidas sugere?
    (actividades, projectos, recursos…)
    1 –remover de imediato a “tralha” colocada nas grandes praças da cidade, limpar, iluminar e cuidar de todos os espaços públicos, convocando para isso todas as partes, juntas de freguesia, associações, etc, mas com um plano comum de acção. proteger aquilo que é único em lisboa, em especial na “baixa”. dar especial atenção aos espaços verdes, aos lugares de encontro. iluminar bem o espaço e criar lugares confortáveis para estar. a beleza tem de ser sustentável.

    2 –articular as centenas de equipamentos culturais que a cml tem dispersos. reduzi-los e dar-lhes objectivos comuns. acabar com as lutas de poder entre vereadores e directores, directores e outros directores. responsabiliza-los a todos e pedir-lhes contas no final. não números mas impactos. a cidade é para muitos mas também é para um. a qualidade de um projecto não se mede pelo imediato número de pessoas que acolhe, mas por aquilo que gera.
    3 –fazer menos projectos e faze-los bem. dirigindo a programação para objectivos comuns e articulados. partilhando projectos com outras cidades, com outros países. por vezes, “não fazer” é mais producente do que “fazer só por fazer”. desistir da ideia de transformar tudo num “museu”.os museus são estruturas pesadas, caras e pouco flexíveis, para um pais com escassos recursos. lisboa devia produzir ideias novas e não passar a vida a tentar “fixar” o que já conhece: promover criação de residências, ateliers, intervenções no espaço público que aportem uma mais valia ás vivências nesse espaço, projectos portáteis, inseminadores, actuantes, críticos, que “deixem ver” em vez de controlar.
    O que estaria disposto a fazer nesse sentido? (o próprio e/ou a sua instituição)
    1 –eu proponho-me fazer aquilo que já faço, as pequenas coisas que integro na minha pratica artística: plantar uma árvore, colocar um banco debaixo de uma árvore. restaurar uma pequena área da fachada de um prédio (neste caso um prédio anterior ao terramoto, propriedade da c.m.l); organizar a montra de uma retrosaria na baixa , de forma a revelar as coisas fabulosas que existem na loja, mas estão escondidas, ajudando a viabilizar o negócio, disponibilizar-me para conversar com as juntas de freguesia, sensibilizando-os para que não tratem mal o espaço urbano. Aliciar amigos para viver na baixa, recuperando-se assim mais edifícios.
    2 – falar com pessoas, nos cafés, nas lojas, nos edifícios, na rua, nas universidades, em conferencias, reuniões, com amigos, e defender que a beleza é património. Faço isso com os comerciantes da baixa, sem qualquer nostalgia, como pratica, e em desespero de causa, porque enquanto se espera pelo “grande plano” há coisas que se perdem para sempre. Irreversíveis.
    3 –olhar para o que existe na cidade. (re)ver a cidade. Encontrar o que é precioso e está negligenciado ou esquecido. limpar o pó. revelar . abrir a janela de uma sala de aula ( a escola primária da baixa é fascismo em estado puro, degradação e tristeza para além do suportável), potenciar que se viva a experiência da luz de lisboa, o rio maravilhoso, os parques (tão abandonados), as ruas , as praças.
    Observações:

    numa cidade contemporânea, cultura é politica. não é “e-ventos.

  • xatoo

    “tanta trabalheira e congeminação para concluir com uma noção abstracta: “a solução vai ter de passar por reconstruir confiança com o mundo muçulmano”
    o que é que isto quererá dizer se os serviços de comunicação oficiais assessorados por uma campanha gigantesca nos Media já “concluiram que foram ataques terroristas” feitos pela antiga criação da CIA, a Al-Qaeda?
    esse é o alibi para Obama reforçar as acções militares no Afeganistão/Paquistão que já se encontravam pré-defenidas (vidé declarações de Joe Biden em véspera das eleições)
    cumprindo a agenda do complexo politico militar Obama é mais do mesmo, ou como diria o outro: é um Bush com rosto humano,,

  • xatoo

    “tanta trabalheira e congeminação para concluir com uma noção abstracta: “a solução vai ter de passar por reconstruir confiança com o mundo muçulmano”
    o que é que isto quererá dizer se os serviços de comunicação oficiais assessorados por uma campanha gigantesca nos Media já “concluiram que foram ataques terroristas” feitos pela antiga criação da CIA, a Al-Qaeda?
    esse é o alibi para Obama reforçar as acções militares no Afeganistão/Paquistão que já se encontravam pré-definidas (vidé declarações de Joe Biden em véspera das eleições)
    cumprindo a agenda do complexo politico militar Obama é mais do mesmo, ou como diria o outro: é um Bush com rosto humano,,

  • Carlos Santos

    A sua análise é excelente. Aliás há algumas peças produzidas pelo Presidente Eleito que demonstram a visão de longo prazo e o entendimento que teve há muito da relevância da Índia e de Caxemira. Escrevi sobre isso no Jornal de Negócios esta semana (http://ovalordasideias.blogspot.com/2008/12/os-ataques-de-bombaim-e-o-futuro-das.html), na minha visão do que é mais do que uma confluência estratégica no combate ao terrorismo.
    Um abraço,
    Carlos Santos

Leave a comment