Uma refundação democrática? (1)

A nossa democracia começou com um apelo, no seu primeiro dia, a que soubéssemos “fazer de nós mesmos um exemplo”, e derrapa hoje no que poderíamos chamar de “relvismo”.

Uma das maravilhas da internet em português foi a disponibilização, pelo Portal da História (www.arqnet.pt), do Dicionário Histórico “Portugal”, que fora publicado entre 1904 e 1915 e que contém inúmeras biografias de políticos portugueses dos século XIX, muitas das quais, aparentemente, foram depois aproveitadas para a wikipédia portuguesa.

Com o auxílio destas fontes (e, já agora, também da página de José Adelino Maltez, http://maltez.info/respublica/), qualquer leitor pode fazer uma descida pela política do século XIX português. O resultado é pouco menos que inquietante.

Basta começar por um dos primeiros nomes do nosso liberalismo, de Mouzinho da Silveira, aos duques de Saldanha ou Terceira, ou ao marquês de Sá da Bandeira, dos líderes da direita cartista até aos da esquerda setembrista, e depois ir por ali seguindo, clique após clique, década após década. De uma ponta à outra do espectro liberal, as primeiras gerações de governantes e deputados são de primeira água. Entre os nobres temos aqueles que eram herdeiros do Real Colégio dos Nobres pombalino ou que acompanharam a corte para o Brasil (Saldanha era neto de Pombal e foi governador do Rio Grande do Sul). Entre os plebeus e burgueses, muitos foram os melhores alunos dos seus anos na Universidade de Coimbra. Entre os que não fizeram estudos universitários, muitos deixaram obra literária e científica. Tanto Alexandre Herculano como Almeida Garrett foram deputados. Alguns, influenciados pelo exemplo do romano Cincinatus, decidiram abandonar a certa altura o poder, a política, e até a capital para se isolarem no campo; assim o fizeram, em vários partidos, o vintista Mouzinho da Silveira, o setembrista Passos Manuel, o cartista Alexandre Herculano.

Desçamos umas décadas e as cortes liberais são uma desgraça. As rivalidades entre “históricos”, “regeneradores” e “progressistas” escondem o facto de que estes partidos estavam vazio de ideologia. Nas biografias vão-se sucedendo os deputados eleitos por círculos, de Portimão a Viana do Castelo, onde nunca tinham posto os pés. E pouca diferença fazia; quando os caciques locais chegavam a deputados era também para votar conforme lhes dizia a liderança, e no mais encher as cadeiras. O modo de ascensão mais comum é o do jovem talentoso na oratória ou na arregimentação que sobe agarrado às abas do casaco de um homem mais poderoso que ele. O apogeu da decadência, passe o paradoxo, dá-se já na viragem do século, quando é inventada a “ignóbil porcaria”, a nova lei eleitoral que permitia aos partidos no poder… manterem-se no poder. Veio a ditadura franquista, primeiro, e a revolução republicana, depois.

A Iª República durou menos, e foi mais segmentada por violentas rupturas nacionais e internacionais. Mas talvez uma pesquisa aturada desse um resultado semelhante, da qualidade da primeira geração republicana, de Teófilo Braga a Bernardino Machado, até ao ponto em que o clientelismo, a corrupção, o feudalismo político e a partidocracia vieram de novo à tona. Chegou uma nova, e desta vez longa ditadura, e com ela o desprezo pelo “parlamentarismo”.

Hoje, vemos que talvez isto não seja uma simples coincidência. A nossa democracia começou com um apelo, no seu primeiro dia, a que soubéssemos “fazer de nós mesmos um exemplo”, e derrapa hoje no que poderíamos chamar de “relvismo”. Não parece que os principais beneficiados por este sistema queiram fazer alguma coisa para o mudar. Mas como evitar que a nossa democracia sofra o mesmo destino das experiências anteriores é a pergunta essencial a que teremos de dar resposta nos nossos dias.

(Crónica publicada no jornal Público em 16 de Julho de 2012)

15 Respostas a “Uma refundação democrática? (1)”


  • Caro Rui, constatar a decrepitude e fossilização de um dado sistema parece ser o que de mais concreto e consensual há. No big deal…De um lado constata-se o falhanço do modelo liberal, do outro do modelo socialista, de um lado aponta-se como o capitalismo não resolve o problema da humanidade, do outro como o comunismo também não… os méritos de um e outro no garantir a liberdade do cidadão e o estado de direito como sistema politico geram polémica no campo oposto… e entretanto a China vai fazendo o seu caminho sem ser uma coisa nem outra, antes pelo contrário…
    Sem entendermos que 2012 não é 1912 nem até 1962 e que importa ser radical (e não confundo radicalismo com extremismo, antes pelo contrário, já fomos demasiadas vezes reféns de extremismos…) no assumir que assim é, temo que em vez de refundar se vai re-afundar. O problema é que não foi só a nossa democracia que começou “com um apelo, no seu primeiro dia, a que soubéssemos “fazer de nós mesmos um exemplo”, e derrapa hoje no que poderíamos chamar relvismo” ou qualquer outra coisa que é a sua caricatura ou máscara fúnebre: outros projectos políticos houve que passam pelo mesmo ou passaram de vez… em que caminho ficou a esquerda?..

  • A fuga dos ‘melhores’ sempre ocorre quando se sentem incapazes de vadear a lama dos interesses em jogo na política.
    Não tem como resolver-se!
    Melhor caso conhecido é o da Grã-Bretanha, que tem a coragem de manter uma Câmara dos Lordes, que supeito ter por única virtude ser constituída por gente que não chega a essa posição por mera eleição popular!

  • Fernando Manaças Ferreira

    A falsa promessa da democracia. Um artigo escrito por um jornalista Holandes, traduzido por mim para o Instituto Mises Brasil.

    http://mises.org.br/Article.aspx?id=1345&comments=true

  • No Turf club relvas venenosas de origem incerta envenenam coelho que dava os primeiros passos

    Bom caro membro do clube do Blok do decapitado, em todos os systhemas nobres gentes são tiradas da lama e ascendem socialmente por meio de seminários, clubes de tiro ao arco ou de tau tau esse desporto grego com letras do mesmo estylo, nos últimos centenares de anos os clubes de literatos e as academias de poeteiros e divagantes lavagantes, foram sendo substituídos por lojas de seccos e molhados e por
    Associações de Amigos dos Amigos de quem quer que seja e até de edifícios e cinemas em ruínas e cidadãos automobilizados a dos de Eça de Queiroz e AFundação estylo Eça de Queiroz já eram.
    Procura AFUNDAÇÃO? O que é aFundação · Como …criar uma afundação
    Círculo Eça de Queiroz – Historial
    Casa dos…histé real?
    Armazém de jornais e photos velhas para avivar a memória que ninguém tem?
    Sinceramente ó Eurrodeputado da afundação das couves de bruxelles
    mas cá por mi grande análise histórica
    dantes eram santos hommes
    é a evolução que os transforma en diables neros ou négres?
    Neroni é assis faz cis ou sis zóide
    Italianos jámé Gregos num sunt barbariii

  • Saldanha era neto de Pombal, um gaijo à maneira que enforcou a ralé que não estava apta para reconstruir Lisboa e deu o exemplo aos restantes para serem con petitives e foi nomeado para estatuária republicana na rotunda que derrotou os Thalassas
    que o avô tenha dado um neto governador do Rio Grande do Sul é triste
    é como Suarez ter dado um neto que faz a revisão bibliográphica das memórias do avô

    felizmente em putucale temos ascensão sucia all por via partidária

    que tem impedido as dinastias ao estylo kim ill sung ou bush bush

    um grande assad pa vossa magnificência
    ó graaaande couve….da eurrozona boazona

  • Pombal foi o tetravô do systhema de selecção dos campos en que o arbeit macht frei?
    Agente é muy ignara de histéria, os nossos lordes dantes eram bons e ódespois degeneraram?
    coitadinhes deve ter side porcause do mercúrio ou da bosta com chumbo
    agente agradece a bossa sublime porta o divã que nos dá prágente ficar adescançadus
    Portante Arrefunde-se e vem aí gente boa?
    perdoe bossa senhuria mas se us puséssemos a envelhecer em cascos de carvalho (ou de pinho iste tá cá uma crise) nã obtinhamos o mesmo resultado
    se só os antigos eram bons….
    20 anos num casco ou a escreveer as memórias do cárcere
    e tinhamos dúzias de graciliano ramos e camilos castelo brancos
    para substituir as relvas e os outros diabos que nã eram brancos

    mas nã é assis um poucochinhu raciste ó grande maciste..du bloc

  • No Turf club relvas venenosas de origem incerta envenenam coelho que dava os primeiros passos

    uma revolução ou refundação para recuar ou para avançar, para restaurar o passado ou para apressar o futuro, pois que reaccionarios e liberais detestam o presente com a mesma intensidade
    e idolatram o passado e as pessoas maravilhosas que lá vivem….

    Max Nordau
    Mané, Thécel,Pharés
    BOM 2012 QUE 2013 BAI SER MAU OU TALVEZ MAO SE CALHAR TALVEZ MESMO MAU-MAU
    Publicadas por P.A. Lerma

  • A má mória tem destas cousas há uns meses a maçonaria era perseguida por invejosos e hoje sou grego sou ares persegue os hermanitos mal comportados

    O problema com o bom selvagem e com o bom rey sebastião e os políticos sebastianistas que se lhe seguiram e identificaram as causas da decadência dos povos peninsulares

    era que essa maralha messiânica nunca se identificou com o poviléu bruto que estava decadente porque era mesmo esse o seu estado natural
    eram todos taxistas…nã eram dos Turn und Taxis coitadinhos…

    é que sempre houve taxiarcas e grandes autarcas e a ralé que só necessita de tratos de polé

    Ou como diz o Dr BERNARDINO José MAchado GUImarães professor substituto da faculdade de philosophia de coimbra e hermano do doutor antónio josé tamém ele substituto

    João Oliveira e Daum que nos deixou este ano passado, era um homem de um carácter inegável… que justiciou por suas próprias mãos dois dos desertores para dar o exemplo….e destas e muitas outras
    cousas vae falar-nos JOAQUIM XAVIER DE FIGUEIREDO E MELLO DE ORIOL PENA filho de ignacio xavier de figueiredo oriol pena, gente que muito perdeu em gados e oliveiras no tempo em que os britânicos fizeram a razia em redor de torres novas
    e mais tarde contribuiram para o abastecimento das tropas desse Oliveira e dá um que eu dou dois à custa de muita fome da ralé da gleba mas há que fazer sacrifícios

    acho que os justiciados até acharam bem?
    foi a chicote eram de Tentugal do largo da feira os dois moços de estrebaria que fugiram das bestas de cavallaria que deveriam cuidar….
    um benemérito o Daum…

  • O 3ºgrau dá direito a licenciatura na lusófona e o 33º dá honoris causa in cu in bra? é cagente de rituais de trolhas...sabe pôco

    O que é preciso é dar tempo e com o tempo tudo fica bom.
    O vinho fica extra-ordinário ou avinagra-se e a politikeia fica toda de carácter excepcional (que pôr extra-ordinário era redundante).
    Basta ver que passado apenas um ano Sócrates o Grego, que montava Paris, principezinho de Troia torna-se um anjo branco que fugiu da cicuta e das ostras e os ostracizados são diabos negros, quiçá pretos de Angola, que são obviamente anti-democráticos, que por cá sempre fizemos o mesmo que os Eduardos dos Santos mas somos Brancos e Ele é Preto obviamente um Demoníaco do Carago e um Ali Babá com muitos mais do que os 40 habituaes, Ali Babá que rouba a ladrão tem cem anos de perdão e fica um conde de Monte no Christo todo fino.
    Ou um califa no lugar do califa.
    Se a gente mudar de Califa e de Cáfila do Calipha fica tudo fino…
    E não queremos Cáfilas de Camelos Pretos
    Agente gosta mais dos Brancos e de preferência bem pintados
    Quisto pra ser político há que ter pintha e um canudo de direito
    Com canudo de direito endireita-se tudo o que anda torto

    Ou Faz-se uma lei a dizere que aquilo não tá torto é tutto ilusion d’optique (en français ça fica mai fine….en latin atã)

  • A ralé morreu de fome e caiu thysica mas foi por uma boa causa diz o Doutor Visconde de Monte Sá leythor da 7ªcadeira de Philosophia (Mineralogia e arte de minas...mesmo as minas para minar muralhas e depôr canalhas por outras maralhas )

    Nem todos phodem ser maçons commo diz Arnaut e se são devem ter pedigree que ser homem de bons costumes só com licenciatura da lusófona não basta, tem que ter aval das ordens de caballeros extra-ordinários e as licenças de praxe das S.S e dos S.N.S e do Instituto de socorro a Náufragos e suas Naus e Galeões com Gaviões falcões e pelouros associados e Bombardas ó Júlio

    Daum capitão adido aos quinze anos de idade e primeiro ministro por quatro vezes foi um daqueles prodígios de boas lojas

    as lojas hoje perdem qualidade poys ficam arraçadas de chinês

    as lojas arraçadas de preto são muito más

    já não bastavam as lojas de café com leite

    agora uma loja de negros no governo de putocale mação nação jámé

    precisamos é de maralha de lojas boas

    o ex mestre-escola da loja da GOL era um typho Sahib fino aqui há uns meses mas andou a coitar con razas malas perdeu pedigree

    que passasse só diplomas de marçano e de trolha a gente de massas e bons costumes que passar papéis a thesos in cultos dá niste

  • O phoder corrompe dantes não corrompia porque sahiam capitães aos quinze anos a quinceanera a nuestros hermanos num dá patente excepto ó Napoleón Duarte el salvador de el salvador já antes de ser Ingeniero

    Agente acha por bem mudar o pessoal da loja, podíamos ter assis uns extra-ordinários para as velhotas se arrepiarem todas (ao estylo de Sócrates mas recauchutado e que ande de Ferrari que isto de andar a correr pelas ruas, só se correr mais que o Carlos Lopes) e umas gaijas para ministras com pernas boas e de mini-saia ou com tetas grandes para quem aspira à mama do esthado a qu’isto chegou partiu e afinal nunca sahiu do lugar, remodelaram foi a estação de muyta forma e feitio.

    E como diz HENRIQUE PINTO DA MOTTA FIGLII DE bento jesus pinto da motta natural de refojos rua de são joão número 10
    nós seremos a geração que redimirá o sangue vertido por esses patriotas impolutos e sem mácula…eles os puros mais puros
    seremos nós

    cu ri osa mente nunca são…deve ser enguiço né….

    Ou como diz José Francisco Arroyo morador no becco do Loureiro em 1848…a revolução europeia é bárbara nós resolvemos as differenças
    de um modo digno, somos senhores do que é nosso…

    uma frase enigmáthica e daí talvez nã
    cum sua mercê nosso aeurrodeputé e de vosso potencial tataravô Daum
    que desde os 15 annos capitão e montador de toda a égua
    como napoléon duarte…e filhos do Papa Doc…um homme extra-ordinário
    os filhos de Ceausescu gostavam mais de montar Nadias…segundo a Nadia Come a necci agora mai velhota e em fase de contar as torturas do regime…fica bem no bible belt ser uma magdalena du sucial ismo
    o tempo transforma a histéria…daqui a 1000 annos temos uns 500 Quintus cincinnati cinci n’natus a partir destes diabos negros

    Atão o tenente cornel de 23 anos que fez razzias no país basco para manter o país basco livre dos francius de Baiona era um santo sócrates…perdão homme..inda bien

  • Caro Rui Tavares,

    Hoje li e segunda parte no Público deste seu artigo, em que propõe eleições primárias para a criação de um verdadeiro debate público de alternativas. Deu como exemplo o que se poderia fazer para a Câmara de Porto, em particular para encontrar um candidato de esquerda. Não podia concordar mais consigo na importância decisiva das primárias como forma de encontrar os melhores candidatos num processo democrático aberto, transparente, exigente e esclarecedor para os eleitores. Debater para escolher candidatos e projetos, sem haver eleições abertas para escolha democrática dessas opções, promove o afastamento dos cidadãos, repetindo o circuito fechado em que vivem os debates dos nossos principais partidos.

    Não percebi bem porque desvalorizou a possibilidade de primárias do PS , algo inédito na nossa Democracia. É obvio que para estas primárias resultarem é necessário haver uma participação massiva dos cidadãos, e candidatos que sejam referencias para os cidadãos, algo que ainda não vai acontecer… Mas o primeiro passo foi dado.

    Relembro que no Conselho Nacional que aprovou estas primárias, houve uma proposta para que estas fossem abertas a eleitores do Partido. Essa proposta não passou, mas teve 25% dos votos. Para ganharmos esta mudança fundamental nos nossos principais partidos, precisamos que a esmagadora maioria dos cidadãos “independentes” (um termo falacioso, dado que quem é filiado não é “dependente”) mas que votam nos nossos principais partidos, filie-se nestes e ajudem com o seu voto e intervenção a mudar os partidos por dentro.

    Essencial é também que as figuras de referencia capazes de serem bons candidatos, deixem a sua zona de conforto, filiem-se no partido onde podem ser referencias, e venham a jogo. Não tenhamos medo do “bicho papão” dos partidos. Há muita gente dentro dos partidos que quer a mudança.

    Precisamos desses novos candidatos nos nossos principais partidos, em especial, nos de esquerda, que estão muito vazios de pessoas e ideias.

    A via dos movimentos “independentes” e a desvalorização dos partidos como fórmula para “resgatar” a nossa Democracia para os cidadãos, não me parece o caminho mais viável para o objetivo que todos nós temos em comum: Portugal ter um democracia de qualidade, capaz de eleger os melhores, com debate vivo e profundo, em que os cidadãos se sintam representados, em particular os de esquerda, que, notóriamente, se sentem muito mal representados.

    Parabéns por trazer este debate para a primeira linha.

    aderevotaintervem.blogspot.pt/

  • Desde 1111 o lema é que o estado sobreviva mesmo que a ralé se lixe

    Esses grandes putalíticos, usaram homens como bestas de carga no pino do inverno para levar carradas de livros velhos para valle de lobos homens brutos que só serviam para servir os seus senhores e tão estúpidos que veja-se lá usavam os livros mais velhos para acenderem as fogueiras com que se aqueciam
    É desde Herculano a Saldanha e mais além só grandes homens
    Alguns ao estylo all gharbio de Tavira metem tudo na gaveta desde a comida até à democracia…

  • Para refundar a democracia, em primeiro lugar é preciso julgar e castigar exemplarmente esta oligarquia cleptocrática que há 35 anos tem governado Portugal.

  • Tavirense que mete o almoço na gaveta quando os amigos que ficam ex-amigos aparecem ou desaparecem

    atão iste teve 3 anos sem governo e a gente nã deu por isso?

    ou 77 e os outros 2 são governo do FMI?

    felizmente o FMI veio acompanhado…infelizmente veio mal acompanhado

Deixar comentário