O estilo apocalíptico na direita portuguesa [texto integral]

|Do arquivo Público 06.09.2017|

No fim do seu discurso aos jovens sociais-democratas, Cavaco Silva deixou um recado que não está a merecer a devida atenção. Disse ele: 

“De vós jovens eu espero que não vos falte a força e a coragem para combaterem o regresso da censura. Se tiverem oportunidade não deixem de ler um artigo excelente, muito bem escrito, de Maria João Avillez, publicado na passada segunda-feira. E fico por aqui. Não vos quero maçar mais.”

Estranhei. Como remate de discurso, é das coisas mais bizarras que já me foi dada ouvir. Mas depois fui ler o artigo de Maria JoãoAvillez recomendado por Cavaco Silva (trata-se de “O meu mundo não é deste reino”, no Observador de 28 de agosto). Aconselho a sua leitura a toda a gente.

Trata-se igualmente de um texto alusivo. A autora começa por descrever uma ameaça, que lá por ser vaga não deixa de ser menos assustadora: “Vigiam-nos. Estão atentos. Estão de serviço. Mobilizados pelo pensamento único, uma nova forma de vida. Nunca se cansam.”

De pelos eriçados, em vão nos perguntamos: quem?

Quem são estes “eles” que Avillez descreve, “ferozes na vigilância, implacáveis na perseguição, sonoros na censura”? Trata-se dos “novos proprietários”. Os “novos proprietários” agem “com ferocidade, não usando de contemplação”: “o castigo terá apenas o limite da sua própria obscenidade: a intimidação, a denúncia, a manipulação, a mentira, o escárnio público, abater-se-ão sobre os prevaricadores, qual raio ou trovão”. Só depois deste intróito atemorizador nos é revelado de quem estamos a falar: “a extrema-esquerda, radical de seu nome próprio”, que é “exímia na aplicaçãodestes instrumentos que manuseia com a habilidade ácida do ódio.”

Um historiador estado-unidense, Richard J. Hofstadter, escreveu em 1964 um importante ensaio sobre “O Estilo Paranóico naPolítica Americana”. Creio que está encontrado o seu sucessor para a direita contemporânea no nosso jardim à beira-mar plantado: um estilo escatológico no sentido teológico do termo (ou seja, preocupado com a morte, o fim do mundo e as últimas coisas) ou, se quisermos, apocalíptico.

Como na literatura apocalíptica, a linguagem é cifrada e o tom é grandiloquente e medonho. Onde o estilo paranóico dos EUA em 1960 via comunistas em todo o lado, o estilo apocalíptico da direita lusa é mais apoplético: uma maioria de esquerda é mesmo ofim do mundo. Cito do texto que tanto impressionou Cavaco: “Os novos proprietários das mentes & costumes”, diz Avillez, “corroem os alicerces que sustentam o berço civilizacional de onde somos, valem pelo modo como vão calcinando o que conhecemos como nosso mundo”.

Quem assim escreve não teme só o regresso da censura. Acredita que ela já regressou e que é preciso escrever em código para contornar os censores. Talvez por isso Cavaco (a bem da verdade, o único primeiro-ministro da democracia portuguesa que tem no currículo censório o veto a um livro de Saramago por “ataque ao património religioso dos portugueses”) fale agora apenas de “coisas muito estranhas” que se passam no país e encerre o seu discurso sem as concretizar. Um mestre do suspense.

Uma coisa é certa. A direita portuguesa assim não vai lá. Com este tipo de discurso não conseguirá constituir-se como alternativa de governo. Para o fazer, a direita portuguesa teria de trabalhar as suas propostas, estabelecer-se como representante de um tipo próprio de reformismo e deixar-se de vitimizações delirantes sobre o poder social, político e opinativo da esquerda. Lembrem-se: se calhar, aquilo a que vocês num toque orwelliano chamam agora de censura são apenas as outras pessoas a emitir a sua opinião ou a representar os votos que os elegeram. Em tempos normais, — tempos, como é por demais evidente, em que a direita estivesse no poder — até chamariam a isso democracia e pluralismo.

(Crónica publicada no jornal Público em 6 de setembro de 2017)

1 Resposta a “O estilo apocalíptico na direita portuguesa [texto integral]”


  • Chama-se estratégia. Algo que novo que se vai estruturando com estes discursos, aqui e ali, com estes artigos, com as mudanças nos grupos editoriais: Em Loures, ensaia-se o modernismo “à húngara”, nos pasquins relatórios que se insinuam oficiais (mas que afinal, não o são) e grelhadores temporizados de reputações, demonizam-se as cidades e os seus turistas, liberdades e costumes, recupera-se, de acordo com as necessidades, o discurso e a prática de seitas, justamente, apocalípticas.
    À mínima oportunidade, ao mínimo descuido, promoverão o confronto, sem qualquer pejo e com a violência possível.
    Tenhamos consciência que esta paz, parece-me, é frágil e provisória.

Deixar comentário