Homogéneo e desigual

O erro está em pensar que igualdade é homogeneidade, quando são coisas muito diferentes. Não por acaso, a obsessão com a homogeneidade é de direita (se pensarmos bem, é herdeira da obsessão religiosa com a pureza) e a obsessão com a igualdade é de esquerda.

Consideremos os (mais ou menos) dez milhões de portugueses que vivem em Portugal. Agora vamos escolher os dois milhões mais pobres e mais ricos, cerca de um quinto da população para cada lado. Agora, adivinhem qual é a diferença de rendimentos entre uns e outros: os mais ricos são oito vezes mais ricos do que os mais pobres.

O mesmo exercício repetido para a Espanha dá resultados diferentes: os mais ricos são apenas 5,6 vezes mais ricos que os mais pobres. É o jornal inglês The Guardian que apresenta estes dados na crítica a um novo livro, The Spirit Level, sobre o problema da desigualdade (só os gráficos que acompanham o texto já merecem uma visita; estão no meu blogue em ruitavares.net).

Em poucas frases, a questão é esta: a desigualdade nunca é apenas a desigualdade. A desigualdade é um monte de problemas: os países mais desiguais têm mais gravidezes na adolescência, têm mais gente na prisão, pessoas mais iletradas, mais corrupção, menos confiança no sistema político. A desigualdade não é apenas um efeito, mas uma causa do nosso atraso, e vai ser preciso repeti-lo enquanto formos desiguais e atrasados. Que no nosso caso vai dar ao mesmo.

***

O Japão e a Suécia, dois países muitíssimo distantes, tanto na geografia como na história, são bons exemplos. As suas sociedades e sistemas políticos têm poucas semelhanças, mas ambos são países bastante iguais (os mais ricos são apenas 3 ou 4 vezes mais ricos que os mais pobres) e ambos têm poucos problemas de crime ou ignorância. Todos saem a ganhar: na literacia, até as classes médias e altas dos países iguais são mais educadas do que as dos países desiguais.

Como mau exemplo: Portugal. A perplexidade dos autores é a agora inversa. Portugal e Espanha são tão próximos na geografia e na história. Como é possível que tenham divergido tanto em apenas trinta anos?

E chegados aqui, os jornalistas do Guardian cometem um erro. Dizem eles que em princípio seria de esperar que a Espanha fosse mais desigual, uma vez que é mais diversa internamente, com as suas regiões e autonomias. E Portugal é mais homogéneo e desigual ao mesmo tempo, o que não parece fazer sentido. Mas, pelo contrário!, faz todo o sentido.

O erro está em pensar que igualdade é homogeneidade, quando são coisas muito diferentes. Não por acaso, a obsessão com a homogeneidade é de direita (se pensarmos bem, é herdeira da obsessão religiosa com a pureza) e a obsessão com a igualdade é de esquerda. A direita preocupa-se menos com a desigualdade desde que o país seja homogéneo. O conservadorismo nacional é anti-regionalização, anti-imigração e anti-direitos dos gays (bom dia, Dra. Manuela Ferreira Leite) mas não perde o sono com a desigualdade. O projecto oposto não tem problemas em viver num país heterogéneo; o que nos interessa é dar a mesma dignidade a cada uma das partes que o constituem.

Em suma, eu diria que foi o quando a Espanha viu que é um país plural que começou a tornar-se um país mais igual. Mas que sei eu? Perguntem a Felipe González. O que ele respondeu numa entrevista recente foi que o segredo do crescimento da Espanha está em assumir a sua pluralidade interna: “Se há trinta anos atrás me dissessem que a Galiza viria a ser uma economia dinâmica na globalização, eu daria uma gargalhada”. Com o nosso desigual Norte a cair no atraso, é uma gargalhada amarga para nós.

[do Público]

13 Respostas a “Homogéneo e desigual”


  • Caro Rui

    Os meus parabéns pela crónica. Sem dúvida bastante pertinente e infelizmente, verdadeira. Em Portugal não se discutem políticas. Discute-se propaganda e publicidade. O PSD não tem uma única medida que possa ser positiva para o país, é um vazio de ideias total.
    Portuga é um país de corporativismo, interesses instalados. Enquanto não se mudarem as mentalidades, Rui, nunca se conseguirá mudar o país.

    Abraço

  • Ok. Nós já percebemos e condenamos.

    Fico a aguardar que, no próximo artigo, Rui Tavares defenda que a pensão máxima paga pelo Estado não seja superior a 8 vezes a pensão mínima. Acabava-se com reformas de 2700 euros dos srs professores de liceu, primáros e educadores infantis licenciados.

    Fico a aguardar que Rui Tavares defenda que o salário máximo da função pública não seja superior a 8x o salário mínimo nacional.(3600 vs 450 euros)

    Fico a aguardar que RT renuncie desde já à parte do seu rendimento que exceda os 3600 euros!

    Rui Tavares é ou não é um pessoa séria?

  • Rui, O Reino do Japão, o Reino de Espanha e o Reino da Suécia são monarquias.
    Portugal, melhor, a república portuguesa é uma república.
    Palavras para quê?

  • Estes amigos são todos muito de Esquerda! A pensão máxima nunca deveria ser superior a 4 ou 5 vezes a pensão máxima (450€ de mínima e 2000€ de máxima)! O mesmo para os salários da função pública! Louçã teve o topete de dizer que quem ganha 5000€ não é rico!

    Eu acuso estes srs de Esquerda de serem os fautores das desigualdades!

  • Pois, em teoria até podíamos defender o ordenado único, porque no fundo o varredor de ruas é tão importante como o cirurgião, blá, blá, blá…

  • Caro RT, a desigualdade tem mais a ver com falta de “concorrencia” e de meritocracia na sociedade por um lado, e sobretudo, com a fraqueza da classe media. Portugal é mais desigual porque existe um parte consequente de funcionarios publicos queauferem rendimentos muito superiores ao que seria normal. De facto um prof. primario em Portugal ganha mais de 2700 euros por més, oque é mais um “instituteur” em França. Nao vale pena referir que França é um pais muitissimo mais rico do que Portugal. Portugal tem uma sociedade bloqueada onde que se instala no “poder” nao sai , mesmo sendo incompetente. O mais competentes emigram, basta ver os casos de sucesso.
    Nao devia focalizar-se unicamente na desigualdade , mas sim nas “medianas”, porque é verdade que os EUA sao desguais, mas os seus 20% mas pobres sao mais ricos que a classe media portuguesa ( se ainda existe…).

  • Caro Rui,

    Os níveis de desigualdade na distribuição do rendimento são efectivamente brutais em Portugal. Apesar de os dados da Comissão Europeia (“Social Situation Report 2007”, disponível em http://europa.eu/rapid/pressReleasesAction.do?reference=MEMO/08/326&format=PDF&aged=0&language=EN&guiLanguage=en) divergirem dos do Guardian, a conclusão é a mesma.

    Julgo que a comparação com a Grécia, onde vivo, é relevante, já que grande parte do que foi publicado referia a desigualdade na distribuição de rendimento como uma das principais causas da propagação dos confrontos aqui em Dezembro 2008. Mas os dados mostram a Grécia como mais igualitária que Portugal!

    Como na altura postei (em http://horas-extraordinarias.blogspot.com/2008/12/grcia-e-portugal-desigualdade-corrupo-e.html, se tiveres paciência), julgo que os elevadíssimos níveis gregos de desigualdade foram ainda potenciados pelos altíssimos níveis de corrupção (superiores aos verificados em Portugal, de acordo com o “2008 Corruption Perceptions Index”, da “Transparency International”, disponível em http://www.transparency.org/content/download/36589/575262), e, principalmente, pela falta de confiança nas instituições (muito superior à registada num grande número de países da Europa ocidental, Portugal incluído, de acordo com dados da Gfk (“GfK Trust Index”, disponível em http://www.gfk.com/imperia/md/content/presse/broschueren/produkte/pd_trust_index_august_08_efin.pdf).

    Ou seja, a desigualdade pode não ter sido o único (nem parece que tenha sido a principal) catalisador das convulsões sociais gregas do final de 2008. Mas desmpenhou claramente um papel muito relevante no processo.

  • “De facto um prof. primario em Portugal ganha mais de 2700 euros por més”

    desculpe, onde??

  • Caro RT

    Era interessante ir mais fundo e identificar quais os motivos do elevado indice de desigualdade em Portugal.

    Sendo um país com >50% do PIB controlado pelo Estado, um dos maiores valores da OCDE e semelhante ao da Suécia, p.ex., não será certamente por insuficiente peso do Estado na sociedade que temos rendimentos tão desiguais.

  • “De facto um prof. primario em Portugal ganha mais de 2700 euros por més”
    desculpe, onde??

    respondo: o salário bruto de um professor primário licenciado ou de um educador de infância licenciado, no 10º escalão, é de 3003 euros!

    Quanto às pensões consulte-se:
    http://dre.pt/pdf2sdip/2009/03/046000000/0862808653.pdf

    e ver-se-á:
    MARIA LAURA SALES BAPTISTA SANTOS ROSAS PROFESSORA AGRUP ESC DR CORREIA MATEUS € 2 704,21

    MARIA TERESA LOPES PINHEIRO MANITO MOREIRA EDUCADORA DE INFÂNCIA AGRUP ESCOLAS POVOA SANTO ADRIAO € 2 617,96

    sim, sim! educadora de infância! 2617,96 euros para sempre! e ainda poderá deixar uma pornográfica pensão de sobrevivência! 2617 euros, dez vezes a pensão mínima!

    Que nos diz Rui Tavares? Que nos diz a Esquerda, protectora dos privilegiados?
    Percebeu a causa das desigualdades?

  • «Sendo um país com >50% do PIB controlado pelo Estado, um dos maiores valores da OCDE»

    Isto é falso.
    O peso do estado português na economia está abaixo da média da UE e da OCDE. Não muito abaixo, está perto da média. Mas está abaixo.

  • “O conservadorismo nacional é anti-regionalização, anti-imigração e anti-direitos dos gays … mas não perde o sono com a desigualdade.”
    Por definição o conservadorismo é… conservador. Mas esta frase contém o risco de equivalermos defesa da regionalização e combate das desigualdade, esequecendo que muitas vezes a regionalização surge associada a fenómenos nacionalistas e de recusa de sistemas de redistribuição inter-regional. Importa não esquecer que a regionalização contém em si um forte risco de conduzir à afirmação de egoísmos regionais.

  • Decararação de interesses:uma das poucas razões porque ainda leio o Público é porque o RTavares escreve lá mas não assina com jornalista mas sim como historiador!

    Hoje li um artigo de defesa de JMTavares, jornalista, em nome da “estafada liberdade de expressão”! Pois: e a verdade e responsabilidade não fazem paerte da ética do jornalista?
    Espero que não seja mais um a desiludir-me com o “espírito corporativo” que é apanágio da comunicação social tanto mais que é
    um historiador e por deve ver os factos com distância e isenção. sergio brito

Deixar comentário