Arquivo diario para July 11th, 2017

Contra isto, e com isto, teremos de viver [texto integral]

|Do arquivo Público 03.07.2017| 1. O grande dramaturgo russo Antón Tchekov disse-o de várias maneiras diferentes mas sempre com este sentido: “se aparece uma arma no primeiro ato de uma peça de teatro, forçoso é que essa arma seja disparada antes do quinto ato”.

Assistimos na semana passada ao primeiro ato. Um assalto levou de um paiol das Forças Armadas Portuguesas dezenas de armas e explosivos. O que é verdade para uma peça de teatro de Tchekov é mais verdade ainda na vida real: estas armas foram roubadas para ser usadas. Nada mais faria sentido. Ninguém rouba esta quantidade de armas para as manter como recordação. Se foram roubadas no primeiro ato, forçoso é que venham a ser usadas, algures, numa guerra ou num ataque terrorista. A única questão é contra quem, e quando. Nesse dia, para desgraça de nós todos, o estado português terá uma quota-parte de responsabilidade pelo que tiver sucedido. Não falo dos problemas na prevenção e nos defeitos na vigilância. Falo da falta de ação determinada após os ataques. Não se compreende, por exemplo, que não tenha havido controles fronteiriços de emergência para tentar impedir que estas armas saíssem do país.

Se um dia houver um ataque terrorista algures na Europa com estas armas, não faltarão opiniões de quem ache que a culpa tenha sido da liberdade de circulação no espaço Schengen. Infelizmente, não espero que alguma autoridade militar ou civil portuguesa tenha a coragem de repor a verdade: a culpa foi também nossa.

Continuar a ler ‘Contra isto, e com isto, teremos de viver [texto integral]’