Arquivo diario para June 8th, 2017

Um país macroeconomicamente aborrecido [texto integral]

| Do arquivo Público 31.05.2017 |

Contava-me há tempos um ex-correspondente de imprensa em Portugal durante os anos pós-revolucionários que um dia, quando ele estava à beira de terminar aqui o seu trabalho e abandonar o nosso país, o então Primeiro-ministro Mário Soares decidiu convidá-lo a ele e aos confrades da imprensa estrangeira para um almoço. E na altura do brinde, para surpresa de todos, não só Soares elogiou o correspondente de imprensa que partia como lhe disse: “ainda bem que se vai embora”. E acrescentou: “os correspondentes de imprensa gostam de estar onde há desgraças; a sua partida é sinal de que vamos passar a ser um país aborrecido”. Evidentemente, Portugal não iria deixar de ter problemas e os políticos como Mário Soares não iriam deixar de ter matéria com que se entreter. Mas, do ponto de vista da imprensa internacional, sem golpes e contra-golpes de estado, sem tanques nas ruas, sem estar à beira da guerra civil, Portugal perdia a graça. Pior para os correspondentes, melhor para os portugueses.

Ouvi esta história e contei-a a uns amigos aqui há um par de meses. E a primeira reação foi a seguinte: “não sei se sabes, mas o Wall Street Journal acabou de retirar o seu correspondente de Portugal”. Ou seja, um dos grandes jornais financeiros do mundo acha que Portugal deixou de ter interesse. Isto é interessante, mas para nós: não quer dizer que Portugal vá deixar de ter problemas económico-financeiros, mas quer dizer que Portugal, do ponto de vista do noticiário económico internacional, perdeu a graça. Passámos a ser um país macroeconomicamente aborrecido. Ainda bem.

A saída de um correspondente da imprensa internacional é, pois, um sinal dessa bem-vinda mudança de estatuto. Mas não é o único. Continuar a ler ‘Um país macroeconomicamente aborrecido [texto integral]’