Uma refundação democrática? (3)

A minha proposta é que Portugal tome uma decisão semelhante, e inédita na UE, e passe a eleger o seu chefe de REPER (ou uma equipa de conselheiros que seriam os nossos “senadores” no Conselho Europeu). De cinco em cinco anos, os portugueses votam como os outros europeus para eleger os seus deputados no Parlamento […]

Ler mais
Utøpya

Aqueles jovens estavam ali por ideias que partilhavam — as da esquerda, e em particular as do socialismo, do trabalhismo e da social-democracia de estirpe escandinava. Vale a pena, um ano após a morte deles, lembrar que ideias são essas. Passou ontem um ano sobre o massacre de jovens na ilha norueguesa de Utøya. Falou-se […]

Ler mais
Uma refundação democrática? (2)

Eis-nos, neste breve exemplo, perante uma das disfuncionalidades da democracia portuguesa. Podemos, é claro, escolher livremente, desde que escolhamos entre aquilo que os aparelhos partidários já mastigaram.  Como evitar que a nossa democracia sofra o mesmo destino das experiências anteriores — o liberalismo e a Iª República, que soçobraram no clientelismo e na partidocracia — […]

Ler mais
Uma refundação democrática? (1)

A nossa democracia começou com um apelo, no seu primeiro dia, a que soubéssemos “fazer de nós mesmos um exemplo”, e derrapa hoje no que poderíamos chamar de “relvismo”. Uma das maravilhas da internet em português foi a disponibilização, pelo Portal da História (www.arqnet.pt), do Dicionário Histórico “Portugal”, que fora publicado entre 1904 e 1915 […]

Ler mais
A mãe de todas as fraudes

Foi descoberto que o Barclays anda há anos a manipular a LIBOR e tentou também, não se sabe se com sucesso, manipular a EURIBOR. Outros dois bancos, o suíço UBS e o escocês RBS, também foram apanhados com a boca na botija por uma agência federal dos EUA. Todos os dias, às onze da manhã, […]

Ler mais
O relvismo

Talvez aqui estejamos vivendo num buraco negro da democracia: e, nesse caso, quanto mais certeza se tem mais indemissionável é o ministro.  Foi só há duas semaninhas que, comentando um dos casos Relvas — perdão, um dos casos dr. Relvas —, escrevi aqui para condenar o ministro as autoridades competentes precisavam sempre “de uma qualquer […]

Ler mais
Do contra ao como

Qualquer ação contra este estado de coisas não tem a vida fácil: encontrará como resposta o cinismo, a ridicularização e a hipocrisia, de forma assumida ou velada. É natural: há interesses instalados para que as coisas continuem como estão.  Nos debates sobre a esquerda portuguesa é sempre hábito alguém fazer o historial de porque são […]

Ler mais
Viver com o pecado

Para ser mais escandaloso, vai ser preciso pecar para continuar a viver. Só os mortos não pecam, — mas também não pagam dívidas. No substrato cultural desta crise está a absurda noção de que a dívida é pecado, à qual não é alheio o facto de as palavras “dívida” e “culpa” serem apenas uma na […]

Ler mais