O escandalismo

“A democracia precisa de inteligência, e a inteligência necessita de condições de inteligibilidade. A escalada de agressão não nos acorda. Pelo contrário, deixa-nos anestesiados. Depois de já não sentirmos os socos, o que mais se seguirá?”

Vi a semana passada uma coisa que me chocou. Era um mero anúncio de campanha política, realizado para uma eleição primária num partido ecologista andaluz, em que o candidato aparecia como que amarrado a uma cadeira, de tronco nu e com uma luz apontada à cara, imitando um interrogatório policial ou uma cena de sequestro. De cada vez que o candidato dizia uma verdade sobre a situação na Andaluzia, levava um soco.

Reparem: em teoria, eu não teria grande desacordo com as palavras que eram ditas, com o tipo de eleições a que se destinava o anúncio, e poderia até admitir que houve imaginação na realização dele. O que me perturbou foi outra coisa: será que estamos já tão anestesiados pelo excesso de estímulos, pelo abuso do efeito de choque, que a tendência para a degradação da mensagem política é inevitável? O autor do vídeo teve, evidentemente, milhares de visualizações na internet e partilhas nas redes sociais, e desse ponto de vista  ideia foi um sucesso. Mesmo uma menção numa crónica como esta constitui, é claro, um prolongamento a contra-gosto da longevidade do dito vídeo. O problema é o que isso nos diz sobre as possibilidades da democracia neste ambiente.

O problema nos socos, fictícios, que levava o protagonista do filme, está nos socos reais que leva a nossa inteligência quando a política começa a ser feita desta maneira. Ora a democracia precisa de inteligência, e a inteligência necessita de condições de inteligibilidade. A escalada de agressão não nos acorda. Pelo contrário, deixa-nos anestesiados. Depois de já não sentirmos os socos, o que mais se seguirá?

Em tempos de crise, não há como não nos escandalizarmos. Há, por todo o lado, verdadeiros motivos para tal. A diferença relevante está entre o escândalo verdadeiro que sentimos por ser humanos, e a manutenção e prolongamento artificial de um estado de excitação permanente a que eu chamaria o escandalismo. Às vezes ele serve os nossos propósitos, ou os dos nossos adversários, mas acaba desservindo a todos.

O escandalismo é resultado de uma leitura errónea da democratização da imagem e da palavra e da globalização da internet. Hoje as pessoas têm acesso a mais informação, a mais pontos de vista e a mais possibilidades de verificação de factos do que nunca. Ignorando essa verdade, o escandalismo prefere gritar aos sentidos do que falar às inteligências. O escandalismo acredita que as pessoas só podem ser captadas pelos instintos mais básicos. Isso não é verdade — mas a crença basta para tornar o próprio discurso mais básico. A única mensagem que fica é: olhem para mim!

Numa crónica de há muitos anos chamei a este período uma “crise de complexidade”, e disse que ela poderia levar dois tipos de resposta: a simplicidade inteligente (a democracia, o civismo, a paz, a cooperação) ou a simplicidade estúpida (a demagogia, a agressividade, o racismo, o conflito). Este tipo de sinais levam-me por vezes a temer que a janela para a simplicidade inteligente se possa, um dia, fechar.

(Crónica publicada no jornal Público em 09 de Setembro de 2013)

2 Respostas a “O escandalismo”


  • Concordo inteiramente consigo.

    Não o referiu no post, mas acho que é relevante enfatizar: essa informação é importante porque através dela é possível obter maior compreensão. Ou seja, perceber o porquê dela existir ou perceber o porquê de algo ser ou acontecer.

    Essa compreensão, por um lado, é algo que por si só é importante como Humano (teoria). Por outro, é fundamental para tomar decisões inteligentes e desenvolver soluções eficazes (prática).

    Partilho consigo uma ferramenta que procura estimular a compreensão de problemas do país.

    A ferramenta está em http://www.proconsenso.pt e tem como objetivo ajudar, e ser ajudado, a compreender problemas do país: qualquer pessoa pode expor o que considera ser um problema do país, e essa exposição pode ser votada por outros utilizadores sobre o quão estes ficaram a compreender o dado problema do país.

    A ideia é usar a tal informação existente na internet (e.g PORDATA), e apresentá-la numa argumentação que tenha como conclusão a existência de um problema do país (o discussão da ferramenta encontra-se em bog.proconsenso.pt).

    A ferramenta (ainda) está em testes, e qualquer pessoa que tenha gosto em melhorar a sua compreensão (e a compreensão dos outros) sobre o país é bem vinda.

    Convido-o a experimentá-la, e colocar um problema lá!

    Eu sou o autor da ferramenta, e estou a tentar fazer chegar a pessoas que vejo terem interesse na ideia.

    A ferramenta é grátis e não tem interesse económico ou político por detrás: é uma ferramenta para os portugueses usarem: foi algo que senti que faltava na comunicação política em Portugal, e decidi criá-la.

    Obrigado,
    Jorge

  • I feel so much happier now I undntsraed all this. Thanks!

Deixar comentário