O “Brexit” e os seus admiradores

Desde hoje de madrugada que, juntamente com outros cronistas e jornalistas do Público, tenho estado a contribuir com texto para um live blog sobre o Brexit. Irei partilhando aqui os textos que publico por lá. Abaixo está o primeiro:

“Sobre o que não foi esta campanha? Não foi sobre o euro, não foi sobre a austeridade e não foi sobre o Tratado Orçamental ou a dívida soberana. O Reino Unido não pertence ao euro, não assinou o Tratado Orçamental, emite a sua moeda e gere a sua dívida com políticas monetárias mais próximas das dos EUA do que da própria UE. A austeridade levada a cabo no Reino Unido foi inteiramente da responsabilidade do Governo de Sua Majestade. A campanha pouco tocou nesses temas, como pouco se falou de desemprego (a não ser como forma de falar de imigração): a taxa de desemprego no Reino Unido anda à volta de 5%. A insegurança laboral e a perda de direitos dos trabalhadores tem sido uma bandeira do governo britânico dentro da própria UE. Ninguém acreditou que os líderes da campanha do Brexit defendessem o Serviço Nacional de Saúde no país: na verdade, vários deles defendiam a sua privatização até uns meses antes do referendo para depois alegarem que a União Europeia o queria privatizar — o que era mentira.

Isto é importante, porque nos próximos dias — e já hoje — muita gente se quererá apropriar da vitória do “Brexit”, ou porque torceram por ela, ou porque gostariam que o “Brexit” pudesse fazer avançar os seus argumentos preferidos (alguns deles são também os meus) em cada um dos seus países. É uma tentação compreensível, mas é importante que os admiradores do “Brexit” noutros países não estiquem as suas interpretações até ao ponto em que elas deixem de ser reconhecíveis por quem quer que tenha seguido esta campanha.”

(Leia mais aqui )

The EU is the worst solution to Europe’s problems — except for all the others that have been tried

ANT_7940_jpg_and_ANT_7939_jpg

There is a huge misunderstanding around the referendum on Brexit, and it is that with the UK leaving the European Union we will go back to the nation-state — or, as brexiteers put it, that ‘we will take our country back’. The fact is that there is no ‘back’ in the nation-state. Most European countries have not been nation-states for centuries, expect for very brief periods. They were either empires, or parts thereof. The states that were heads of empires, such as Great-Britain, France, Portugal and the Netherlands, had easy access to raw materials, a captive market in their colonies, and an outsized global influence because of their metropolitan status. The European project was the remedy they found to alleviate their post-imperial decline; and quite an obvious one too. When they could, none of these countries spent much time outside in the world from losing an empire to acceding the EU or its antecessors. My country, Portugal, lost its colonies in 1975; by the following year we were asking to enter the Council of Europe, the year after that we asked to be accepted by the European Economic Community. That the UK was trying to enter the EEC half a decade after the Suez crisis is not mere chance; that de Gaulle vetoed UK’s accession goes to show that he wanted to keep for France the comparative post-imperial advantage of access to a then-common European market.

The exceptions to this rule, such as Spain, Germany and Austria (i.e., countries that lost their empires long before there was an European project) have had telling trajectories that include civil war, being cut to size, losing itself in revanchist dreams, terrible dictatorships and widespread state-sponsored murder. If one adds Russia and Turkey to that list one can see that the post-imperial hangover can be quite lasting. As for the countries that were parts of empires in Eastern Europe, well… they didn’t have much sovereignty until they acceded the EU, did they? Contrary to common perception, EU-accession was and is the main way for countries like Lithuania, Slovenia and even Hungary to secure their status as independente nation states.

The truth is that the EU is not inimical to the nation-state. For some of the European nation-states, actually, the EU has been the only respite from being dominated, invaded and unrecognised for a century after WWI. For Europe’s historically oldest and most fortunate independent countries, however, the European project has also been the greatest boon immaginable in an era characterised by the emergence of the rest of the world’s societies and economies in post-colonial states that quite often much outsize in population and potential even the biggest European countries. The EU is an inescapable market of 500 million consumers and a club of 28 of some of the most advanced democracies in the world which has secured continued relevance for European countries at a global scale. Four EU countries, and the EU itself, sit at the table at G8 summits. In fact, the UK is now represented twice at these summits, but after leaving the EU and its economy taking a hit or Scotland leaving, the UK will risk not being represented at the G8 either directly or indirectly. Surely, at the UN’s Security Council the UK would keep its permanent seat — at least until UN reform — but it would be overcome in influence by a France that would, per the EU treaties, also represent the rest of the EU as whole among owners of a veto at UN level.

In any case, national sovereignty matters little if individual sovereignty or citizenship is not respected. In this respect the EU is very much at the forefront of what one can do with the Fundamental Rights enshrined in the Treaties and the EU Charter. Where else in the world, for example, could a single Austrian young man by the name of Max Schrems defeat Facebook in a court ruling of the EU Court of Justice? And even if this could be achieved at national level, would an affected multinational comply? Not if they can ignore the country and its market, as the case of Google News against Spain shows. Remember: even the biggest national markets in Europe are smaller by comparison with the rest of the world in which these multinationals operate. Only by the combined force of its 500-million strong market can the EU impose standards and enforce rulings against companies that are more powerful than many states. I know it does not feel that way most of the time, but if you don’t believe that in the fight between an individual’s right and a multinational corporation the EU fares much better than the rest of the world, go ask a peasant in Peru or a gun-violence victim in the NRA-dominated USA.

But isn’t the EU out of touch and too technocratic? Wouldn’t it need a big democratic overhaul in order to be up to the standards that we as 21st-century citizens demand? And isn’t it — so we’ve been told — irreformable? Yes, yes — and no.

I’ve been five years in the European Parliament, from 2009 to 2014. I’ve seen the EP gain the power to squash international agreements — and use it: against EU-US agreements on gro\unds of data protection, for instance, and against Morocco because of the rights of occupied Western Sahara. I do not know of many national parliaments that would dare overrule their governments, which in many cases have locked-in parliamentary majorities, in cases of international agreements. Today the EP is our best chance that the Transtlantic Trade and Investment Partnership either adheres to good environmental, labour, and consumer-protected standards or gets rejected outright by MEPs. I’ve seen it happen, and I do not doubt that it can happen again.

During those five years I also saw the Presidente of the European Commission go from being chosen behind closed doors to being indirectly elected in a procedure that is akin to US-style primaries. Although far from perfect, this procedure means that in 2019 we can boot Jean-Claude Juncker from the EU’s top job by not voting in parties that belong to his European People’s Party. And it goes to show that — again, although far from being a full democracy as it should — the EU is indeed capable of being reformed in a way that compares quite well to the immovability of most of our national systems (think the UK and the House of Lords).

And even on austerity, the subject that has been closest to my heart, being a national — and a quite patriotic one — of a country that has suffered the indignities of the Troika and is still appalled at the wrong-headedness of the European response to the euro-zone crisis, I think it is completely bereft of objectivity to say that this response did not change over time. Consider the differences between the European Central Bank during the Jean-Claude Trichet rule and with Mario “whatever it takes” Draghi, or the times that the hardline of German ordoliberalism lost in both the ECB board and the EU Court of Justice, or the possibility that Spain will soon join its voice to the anti-austerians in Portugal’s and Greece’s governments, and you have some reason to hope. And in the case you think I am being to optimistic, please refer back to the historical record: just think how many trials-and-errors it took for the US to overcome the Great Depression of how many decades (and a Civil War) it took for the dollar-area to consolidate itself in the USA, and maybe you’ll see that in the most severe crisis of the last 80 years the EU did fare terribly, but that there is a learning curve that can be followed.

So, all in all, let’s dispel some of the biggest myths around this referendum. The country that nostalgic brexiteers want to take back was an Imperial Metropolis whose colonial privileges are not on offer anymore. The EU has been a solution for the European nation-states, and not their undoing. And, in any case, we can change — via political pressure and both national and EU elections — what the EU gets wrong.

Why the UK — that has grown 69% since the beginning of the single market and does not have to worry about the euro — would choose to leave the EU and enjoy its post-colonial hangover in solitude is beyond the reasonableness of any outside observer with the obvious exception of Mr. Putin. Because — to praraphrase Winston Churchill’s own paraphrase of an anonymous wit about democracy — the EU is indeed the worst solution to Europe’s problems, — apart from all the others that have been tried from time to time. We will miss it if we break it.

Cosmofobia

Torre de Babel | Pieter Bruege - 1563

Torre de Babel | Pieter Bruege – 1563

A minha crónica de hoje no público, sobre o assassinato da deputada trabalhista britânica Jo Cox.

“Jo Cox foi assassinada então porque, para o seu assassino, ela seria uma traidora à pátria. E não é difícil perceber que a sua “traição” estaria nas causas que ela defendia: a implementação de políticas sociais de compensação da imigração em vez de um simples fechar de fronteiras; o acolhimento das crianças refugiadas de guerra; e, crucialmente, a permanência do Reino Unido na União Europeia.
As razões de um fanático a esse fanático pertencem. Mas do ambiente em que ele se move somos todos responsáveis, por ação e por omissão. A esse fenómeno que não é novo mas cada vez mais prevalente, se lhe fôssemos a atribuir um nome, deveríamos chamar “cosmofobia”: a aversão àquilo que é cosmopolita ou a quem defende o cosmopolitismo político, ou seja, a cidadania global e a democracia também para lá das fronteiras nacionais. Jo Cox era britânica; não foi assassinada por ser imigrante mas por defender os imigrantes. Jo Cox era deputada de Westminster; presumivelmente, não foi assassinada por ser uma “tecnocrata de Bruxelas” mas por defender que o Reino Unido deveria permanecer na UE.”

Leia a crónica completa em Cosmofobia

Fora da ordem

mapa mundi2O que é importante, porém, é que cada uma destas federações tem uma importância regional ou global que as ultrapassa. Com todas elas em crise, é o hemisfério inteiro que está fora da ordem, e longe do progresso.

Há quatro grandes federações no nosso hemisfério. Os Estados Unidos da América, do século XVIII, a República Federativa do Brasil, do século XIX; fundadas no final do século XX, temos a União Europeia e a Federação Russa.

A grande questão para o Brasil é se conseguirá resgatar a sua democratização. Nos últimos vinte anos o Brasil conseguiu domar a hiperinflação (com Fernando Henrique Cardoso) e avançar verdadeiramente pela primeira vez no sentido de uma sociedade inclusiva (com Luís Inácio Lula da Silva). Conseguiu mais do que isso: fazer entre estes dois homens uma transição de poder cordial e construtiva. Restavam dois problemas essenciais para resolver: a corrupção e a violência. No início do seu mandato, Dilma Rousseff deixou cair ministros corruptos e deu autonomia aos poderes de investigação. Mas a corrupção no Brasil está endemicamente ligada a uma política e um Congresso disfuncionais. A oposição a Dilma tentará apresentar a impugnação da presidente como uma vitória da luta contra a corrupção; na verdade, será uma vitória da corrupção contra a democracia. Continuar a ler ‘Fora da ordem’

Queixas e não só queixinhas

Há semanas que o país ouve dizer que há um processo de espanholização da banca portuguesa, pilotado a partir de Bruxelas, como se não houvesse nada a fazer ou um estado-membro da UE tivesse que estar indefeso perante tal enormidade. As declarações de Luís Amado e de Carlos Costa à CPI do BANIF reforçam essa leitura, e veremos o que dirá hoje Maria Luís Albuquerque. Se o que estes responsáveis por três anos de inação no BANIF nos estão a dizer significa algo mais do que uma tentativa de sacudir a água do capote, a Assembleia da República e o governo devem daí tirar as devidas consequências. Esta crónica é acerca do que o país pode fazer nesse caso.

“Se isto é assim, a comissária em causa violou os tratados e a Comissão Europeia apoiou um estado-membro contra outro. Caso a Comissão Parlamentar confirme esta suspeita, o governo português tem a obrigação moral — se não mesmo constitucional — de apresentar uma queixa no Tribunal de Justiça da UE contra a Comissão Europeia. E os deputados portugueses — e outros — no Parlamento Europeu têm a obrigação política de iniciar procedimentos para que esta Comissão Europeia caia na sequência de uma moção de censura.”

Crónica completa em: Queixas e não só queixinhas.

Os papéis do Panamá

A minha crónica de hoje foi escrita em cima do momento sobre o tema mais importante do nosso tempo: onde está escondido o nosso dinheiro? Como a soberania de uns países serve para roubar o dinheiro dos impostos dos outros?

A revelação dos Papéis do Panamá não deixará nada como antes. São mais de duzentas mil companhias fictícias criadas no Panamá por gente rica e poderosa de todo o mundo, com o propósito mais do que provável de fugirem aos impostos, esconderem dinheiro sujo e ocultarem património. Putin e Poroshenko estão lá. O primeiro-ministro da Islândia também. Famílias e políticos no poder na China, no Paquistão, no Ghana e na Argentina. Nomes da Lava Jato, no Brasil e até em Portugal. Como responder a isto?

“Uma resposta possível será impor regras que impeçam empresas sediadas em certas jurisdições como o Panamá de fazer negócio noutras jurisdições como a União Europeia. Soberania contra soberania. Outra possibilidade é a de criar registos de “últimos beneficiários”, para que se saiba sempre quem está por detrás de qualquer companhia legalmente constituído, dentro ou fora de fronteiras.”

Mas estas soluções devem apenas ser o começo. O resto está aqui abaixo e fica também certamente para futuras crónicas.

Leia a crónica completa em Os papéis do Panamá.

 

Maré alta

Mas atenção: uma crise pode esconder outra. Na base, a crise das crises na União Europeia é uma crise de estado de direito e direitos fundamentais. E essa é não apenas existencial, mas civilizacional.

Os governos da União Europeia têm especial talento para pegar em problemas resolúveis e torná-los existenciais.

A atual crise dos refugiados não precisava de ter chegado a este ponto. Como tenho repetido nesta coluna, há anos que existem instrumentos legais e financeiros para reinstalar refugiados diretamente, sem forçar as pessoas a arriscar a vida, dando prioridade aos mais vulneráveis e introduzindo critérios de justiça e previsibilidade  que permitem diminuir ou moderar a ocorrência de situações de emergência. Os governos nacionais não os quiseram utilizar e com isso favoreceram a criação de bolsões de desespero onde imperam a desorganização e o cada-um-por-si.

Mas atenção: uma crise pode esconder outra. Na base, a crise das crises na União Europeia é uma crise de estado de direito e direitos fundamentais. E essa é não apenas existencial, mas civilizacional.

O seu epicentro é a Hungria Continuar a ler ‘Maré alta’

Hora de fecho

Para o futuro, a esquerda não pode cometer o mesmo erro que cometeu a direita: falar ou governar apenas para o seu reduto ideológico. Será necessário passar da recusa da austeridade ao estabelecimento de um plano alternativo que passe por transformar as relações entre o estado e os cidadãos, no sentido da inclusão social e da autonomização dos indivíduos que dá futuro e desenvolvimento às comunidades.

O jornalismo — como nós todos — vive de fazer sentido das coisas através de narrativas.  As narrativas são às vezes tão fortes, ou tão apetitosas, que se impõem ao sentido das coisas.

Assim foi nesta campanha com a ideia de que estávamos a viver um “empate técnico” nas sondagens eleitorais. Na realidade, não há empate técnico nenhum. A direita toda junta encontra-se muito perto dos seus mínimos históricos, e recolhe em torno de um terço do eleitorado. A esquerda toda junta tem perto dos restantes dois terços. Num quadro em que nenhum dos maiores partidos está próximo da maioria absoluta, o que é importante é saber para que lado pendem a maior parte das vontades eleitorais. Ora, parece claro que os eleitores que estão contra as políticas dos últimos anos são o dobro dos que preferem a sua continuação.

A partir deste equívoco gerou-se uma outra subnarrativa, a saber: Continuar a ler ‘Hora de fecho’

O estado da União

O estado da União Europeia vai assentar sobretudo nos cidadãos, e no que estes estiverem dispostos a fazer para avançar os seus valores e ideais. Essa é a lição das últimas semanas: o futuro da democracia neste continente dependerá da luta entre egoísmo e solidariedade, repressão e abertura, autoritarismo e cooperação, desconfiança contra tolerância, medo ou liberdade — e essa luta será travada no quotidiano, na opinião pública, e na agregação dos pequenos gestos individuais.

A crise europeia imitou até agora as crises do passado como a um livro de instruções: um colapso financeiro que gerou uma depressão económica e social, que gerou uma crise da representação democrática, que exacerbou as rivalidades nacionais, que pôs pressão sobre o estado de direito e as liberdades fundamentais e que se torna já numa crise de direitos humanos.

E isto pode não ficar por aqui.

Nenhum destes passos era inevitável. A crise do euro não era uma fatalidade do destino; era uma fatalidade das regras que foram desenhadas para o euro. Quanto à crise dos refugiados — bem, por onde começar? — há anos que existe legislação e financiamento para reinstalar refugiados a partir dos campos e dos centros de trânsito nos países de acolhimento, de acordo com regras humanitárias e categorias de prioridade. Teríamos podido evitar que milhares de refugiados arriscassem a vida para chegar à Europa, e fazê-lo de forma a moderar a ocorrência de emergências e evitar colocar sob pressão sempre as mesmas fronteiras. Foram os governos nacionais que, negligenciando as metas de reinstalações com que eles próprios se comprometeram, contribuíram para o acumular permanente de desespero que nos trouxe até aqui.

Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, Continuar a ler ‘O estado da União’

Uma cultura do aviltamento democrático

 Chega um momento em que não se pode mais fingir que não se vê aquilo que nos entra pelos olhos adentro: uma democracia só vale aquilo que todos os seus componentes quiserem que ela valha. E neste momento há quem queira em Portugal que ela valha demasiado pouco, porque só no meio do lixo podem luzir.
Quando um primeiro-ministro no fim do seu mandato evita ao máximo dar entrevistas no período pré-eleitoral, incorre numa desvalorização da escolha democrática, e assim prejudica a todos os portugueses. Quando a coligação governativa inventa desculpas para não ir a debates eleitorais, ajuda a minar a lei de cobertura de campanha por ela aprovada ainda há poucos meses, e é toda a política que sai descredibilizada. Moral da história: quando os clubes de futebol decidem que vão jogar no dia das eleições, as elites políticas desbarataram já a autoridade moral que lhes permitiria corrigir esta situação. Dificilmente conseguirão manter o respeito por um ato eleitoral que desvalorizaram. Continuar a ler ‘Uma cultura do aviltamento democrático’