Tempo de Avançar

Respostas sem pergunta

A troika é provavelmente ilegal. O Tribunal de Justiça praticamente grita que lhe perguntem para poder dar essa resposta — mas os estados-membros não lhe perguntam, por medo ou por seguidismo.

Aconteceu uma coisa interessante na semana passada. Pela primeira vez o Tribunal de Justiça da União Europeia respondeu a uma pergunta do Tribunal Constitucional Alemão sobre “o que for preciso”. A resposta ainda não é definitiva, mas é já relevante para o nosso futuro.

Um pouco de paciência, então. “O que for preciso” é, se bem se lembram, o que Mario Draghi do Banco Central Europeu disse que faria para salvar o euro. Esse “faremos o que for preciso” acalmou os mercados em julho de 2012, e dois meses depois, em setembro, Draghi apresentou um plano para compra de dívida dos estados que, mesmo engavetado, produziu milagres. Nunca foi gasto um cêntimo, o plano não foi implementado, mas o mero facto de existir deu a entender que o BCE não deixaria repetirem-se as divergências entre taxas de juros que vimos em 2010 e 2011, e que levaram a Grécia, Portugal e outros a ajoelharem-se perante os credores.

Na Alemanha, o plano de Draghi — Continuar a ler ‘Respostas sem pergunta’

Ouçam este homem

Minha crónica de hoje no Público: “Yanis Varoufakis é certamente um desses europeus. É também um dos poucos economistas a não encarar esta crise como um mero economista. Onde outros se limitam a proclamar as suas equações e a desconsiderar o resto, Varoufakis entende a necessidade política de procurar soluções que não dependam de fazer de conta que o eleitorado alemão não exista ou que os tratados europeus possam ser ignorados. Coisa rara num economista, não pretende sacrificar os empregos e prejudicar as vidas de milhões de pessoas só para provar que tem razão. Está longe, muito longe, de achar que o euro é perfeito, mas prefere melhorá-lo do que lançar o seu país e a Europa no desconhecido.”

Para ler a crónica completa click em Ouçam este homem

O caderno de milagres

Ora, um governo não é dono do país, dos seus recursos, das suas ferramentas. É um cuidador, mandatado politicamente pela comunidade, até chegar o momento de passar o seu mandato a outros. O governo está em fim de mandato e não há, neste momento, um consenso político sobre a privatização da TAP. Esperar e levar o tema a eleições seria o único cadernode encargos possível para um governo minimamente sério.

Há uma coisa extraordinária: um caderno de encargos resolve tudo. Se o estimado leitor não conseguir fazer qualquer coisa — encontrar a alma gémea, emagrecer, terminar um livro, aumentar o seu salário — tem bom remédio. Privatize-se e endosse tudo isso num caderno de encargos ao seu comprador. Ele terá de lhe acrescentar uma assoalhada à casa, aparar a relva, ir buscar os filhos à escola, e pagar por isso.

É isto, não é? Continuar a ler ‘O caderno de milagres’

Está tudo perdoado

Isto só o Charlie poderia desenhar, porque está a falar dele mesmo.

Dizia o comediante George Carlin que “o dever do humorista é procurar onde estão os limites e violá-los intencionalmente”. É o que faz a primeira capa do Charlie Hebdo após a matança de doze dos seus autores e colaboradores perpetrada por fanáticos islamistas.
Muitos de vós já a terão visto: representa Maomé segurando um cartaz “Je Suis Charlie”, com uma lágrima ao canto do olho, e um título nas habituais letras garrafais manuscritas: ESTÁ TUDO PERDOADO. Tudo perdoado como? Mas como pode estar perdoada um dos ataques mais violentos de sempre a um jornal? Como pode o cartunista Luz, autor desta capa, fazer isto com o assassinato dos seus próprios amigos?

A resposta está no dever do humorista: Continuar a ler ‘Está tudo perdoado’

Respostas sem pergunta

Minha crónica de hoje no Público: “Quem conseguiu ler até aqui talvez se lembre que isto sempre foi afirmado nesta crónica. A troika é provavelmente ilegal. O Tribunal de Justiça praticamente grita que lhe perguntem para poder dar essa resposta — mas os estados-membros não lhe perguntam, por medo ou por seguidismo.”

Para ler a crónica completa, click em Respostas sem pergunta

Contra o irreversível

A abertura para uma política diferente existe: juntar a estratégia da administração da TAP, as necessidades do país e a importância que os portugueses dão à companhia para avaliar que apoio público, e para quê, poderia ajudar a cumprir com os nossos objetivos comuns para os próximos dez anos. Ainda é possível fazê-lo, mas só se a sociedade conseguir impedir esta privatização apressada que causará um dano irreversível a Portugal.

Como milhares de outros portugueses, pontuei as minhas festas com idas ao aeroporto, para buscar e levar parentes queridos. Na despedida, o que mais custou foi ouvir a pergunta: “achas que um dia podemos voltar para viver cá?”

Enquanto as coisas se mantiverem como estão, dificilmente poderemos dizer às nossas várias diásporas — aos que se doutoraram lá fora, aos que viram o seu negócio falir cá dentro, passando pelas enfermeiras e pelos desempregados que deixaram de esperar — que é seguro voltarem porque o país está não só a crescer, mas sobretudo a adquirir o nível de desenvolvimento que lhes permitiria trazerem para cá as suas famílias num plano de longo prazo. Poderemos conseguir inverter a tendência das políticas atuais; só aí, verdadeiramente, responderemos à outra pergunta que Continuar a ler ‘Contra o irreversível’

Está tudo perdoado

A minha crónica de hoje no Público: A resposta que o Charlie deu ao ataque de foi alvo é, em si, um tratado de filosofia moral, e de religião também. Mas, como todas as coisas que atingem este nível de desconforto, profundidade e risco, não há muitas palavras a acrescentar. Por isso vai hoje uma crónica curtinha, para poder acomodar a ilustração em causa e dizer o quanto a admiro.

Para ler a crónica completa click em Está tudo perdoado

O Arúspice

A certa altura Mario Draghi refere-se às suas obrigações e responsabilidades, e o jornalista diz-lhe que “esse discurso é demasiado prussiano para um italiano”, ao que Draghi replica que “cumprir com as suas obrigações não é uma peculiaridade dos alemães”.

Nestes dias de começo do ano cabia aos Antigos ler o futuro nas entranhas dos animais (havia uma profissão para isso, o Arúspice). A nós calha-nos tentar decifrar os discursos e entrevistas de Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu.

As peças em análise são duas, ambas publicadas no segundo dia do ano: um artigo de opinião, intitulado “Estabilidade e properidade na zona euro”, e uma entrevista concedida ao jornal económico alemão Handelsblatt.

Para tornar a nossa tarefa mais difícil, o artigo de opinião de Mario Draghi Continuar a ler ‘O Arúspice’

O fanatismo

Minha crónica de hoje no Público: “Era preferível que não houvesse fanáticos, e que não tivesse de haver mártires pela liberdade. Mas havendo, é importante lembrar sempre que o amor é mais forte do que o ódio, como pôs na sua capa o Charlie Hebdo. Porque o amor é um amor de riso e de liberdade. E por isso os corações de todas as pessoas de bem de todo o mundo estiveram ontem juntos, em Paris, na Praça da República, ali onde leva o Boulevard Voltaire.”

Acesse a crónica completa em O fanatismo .