As três conquistas de Bernie

150706_POL_Sanders.jpg.CROP.promo-xlarge2A minha crónica de hoje no Público – As três conquistas de Bernie

“Pura e simplesmente, Bernie Sanders — que há um ano nem era militante partidário — conseguiu puxar o Partido Democrático mais para a esquerda do que qualquer outro político em muitas décadas. É agora possível, com o eleitorado e os ativistas que ele trouxe para a política, eleger muitos novos deputados e senadores progressistas para o Congresso americano. Essa conquista de Bernie traz com ela muitas outras conquistas: como ficou bem patente no discurso que ele fez na madrugada de ontem à Convenção Democrática, o programa eleitoral que ele negociou com Hillary Clinton contempla agora propostas que há poucos meses seriam consideradas impensáveis, das propinas gratuitas no ensino superior público à nomeação de juízes do Supremo que possam sentenciar a proibição de dinheiro privado nas campanhas eleitorais, ou à reforma das leis de imigração e da justiça criminal. Se implementadas, estas conquistas terão importância para lá das fronteiras dos EUA.”

Leituras do dia 27.07

Cena do filme Dr. Jekyll and Mr. Hyde | Direção: Victor Fleming – 1941

1 – Hungarian prime minister says migrants are ‘poison’ and ‘not needed’. (theguardian.com)

“Hundreds of thousands of migrants and refugees trekked through Hungary and Austria in 2015 as they sought to reach wealthy European nations. But the flow slowed to a trickle after Orban’s government erected razor wire and fences along the southern borders last autumn and brought in tough anti-migrant laws.
Orban said the migration and foreign policy plans of the US Republican presidential candidate Donald Trump were “vital” for Hungary, whereas those of his rival, the Democrat Hillary Clinton, were “deadly”.”
https://www.theguardian.com/…/hungarian-prime-minister-vikt…

2 – Juncker tells UK: No single market without freedom of movement (EurActiv.com)

““There will be no access to the internal market for those who do not accept the rules – without exception or nuance – that make up the very nature of the internal market system,” Juncker said. However, diplomats told the Guardian that plans to allow the United Kingdom an exemption from EU rules on freedom of movement for up to seven years while retaining access to the single market were being considered in European capitals as part of a potential deal on Brexit.”
http://www.euractiv.com/…/juncker-tells-uk-no-single-mark…/…

3 – Europe risks repeating past mistakes on Islam (Jonathan Laurence)

“This has recently come to a head. In 2014, the Austrian parliament voted to end Turkish funding for religious activities and evict Turkish religious personnel. The move echoed the Austro-Hungarian empire’s decision one hundred years earlier to replace the caliphate in Bosnia and Herzegovina with a Vienna-approved religious leader. Belgium recently passed a similar decree regarding the nomination of imams, and German politicians have for months called for an end to Turkey’s influence in European Islam. The EU recently funded a journalism project dedicated to exposing “Turkish puppets” who promote the religious ideology of Turkey’s Recep Tayyip Erdoğan and AKP within Europe.”
http://www.brookings.edu/…/21-europe-islam-salafism-laurenc…

4 – Juncker puts veteran French politician in charge of Brexit talks (the guardian.com)

“I am very glad that my friend Michel Barnier accepted this important and challenging task. I wanted an experienced politician for this difficult job,” Juncker said in a statement. “I am sure that he will live up to this new challenge and help us to develop a new partnership with the United Kingdom.”
http://www.theguardian.com/…/jean-claude-juncker-puts-miche…

5 – EU to appoint new ambassador to Turkey (Florian Eder)

“Federica Mogherini, the European Union’s foreign policy chief, will inform the College of Commissioners today that she will appoint Christian Berger as the new head of the EU’s delegation in Turkey, according to a briefing for the meeting that POLITICO has seen.”
http://www.politico.eu/…/eu-to-appoint-new-ambassador-to-…/…

 

A mentira sai barata

Não adianta alegar que sempre houve mentira e desonestidade em política. A novidade não está na mentira, está no preço que deixou de se pagar quando ela é descoberta. Onde antes carreiras eram destruídas, basta agora um encolher de ombros e esperar que chegue outro assunto. 

Fui recentemente a um debate em que um dos oradores disse logo na sua primeira frase uma mentira. Não uma mentira qualquer, mas uma que os presentes poderiam desmentir saindo à rua — estava em causa a falsificação de um slogan partidário que está em cartazes pelo país todo. Foi-lhe chamada a atenção, e o orador alegou que se tinha confundido. Errar é humano, e deu-se-lhe o benefício da dúvida.

Entretanto já outro orador tinha engrenado numa série de argumentos que misturavam meias-verdades, falsidades e factos pura e simplesmente inventados, segundo os quais, por exemplo, teria havido uma votação unânime em Bruxelas na qual “até o Syriza” teria confirmado que as contas do Governo português “são irrealistas”. Parte do que foi dito “anda por aí” e a outra parte poderia ser justificada pela crença de que a vida é uma campanha eleitoral permanente e que as campanhas eleitorais têm regras maleáveis.

Os outros presentes no debate não tinham muito como reagir. Continuar a ler ‘A mentira sai barata’

Leituras do dia – 26.07

sub-buzz-17049-1469480128-11 – Contra as sanções, Portugal irá até ao Tribunal Europeu (geringonça.pt)

“Depois de numa primeira fase ter sido avançado que vários comissários defenderam “sanções zero”, nos últimos dias têm sido veiculadas informações que apontam para sanções reduzidas mas não nulas. O próprio Expresso avança que poderia ser mesmo aplicada a multa ainda que não no montante máximo previsto: 0,2% do PIB, o equivalente a 370 milhões de euros. Já na tarde de ontem, a Lusa avançava que Bruxelas pondera suspender alguns dos fundos estruturais a Portugal.”
http://geringonca.com/…/contra-sancoes-portugal-ira-ate-ao…/

2 – Welcome To The Russian Game: It’s Embarrassing, It’s Dirty, And It Might Be Out Of Control (Miriam Elder)

“Yes, Putin wants Trump in power — wouldn’t you? An anti-internationalist who questions the use of NATO and wants to withdraw from the WTO while pushing for “deals” without thinking about pesky things like “rights” and “freedom.”. But why this hack, and why now? Because there’s nothing Moscow plays better in than shame — degrading the worth of things by chipping away at them in ways that makes the world an uglier place.”
https://www.buzzfeed.com/…/welcome-to-the-russian-game-its-…

3 – Brexit latest: The interim European Economic Area option (James Blitz)

“Two questions arise from this. First, would EU governments view a time-limited transitional membership of the EEA favourably? Wolfgang Munchau, who discusses the ASI plan in his Eurointelligence blog, is confident they would. In his view, it would minimise the economic fallout from Brexit, something Europe would want to avoid “given the eurozone’s extreme vulnerability to even the smallest shocks”. The second question regards free movement. There is still no way the EU will allow Britain, as an EEA member, to introduce EU border controls. This is bound to be seen by some Leave campaigners as a betrayal of the spirit behind the June 23 vote. The only way for Mrs May to confront this problem would be to stress the transitional nature of the arrangement, insisting that migration curbs would become possible once Britain has left the EEA and entered a free-trade agreement with the EU.”
https://next.ft.com/co…/931bffc8-5253-11e6-befd-2fc0c26b3c60

(Imagem: Fotografia de Ria Novosti / Reuters)

Leituras do dia – 25.07.2016

2306c404fcf8fff36a4f0c5a05e654481 – Chomsky: Today’s GOP is a Candidate for Most Dangerous Organization in Human History—Part 2 (Amy Goodman)

“Well, there’s a long history. The basic—we don’t have a lot of time, but the basic story is that the United States, like Britain before it, has tended to support radical Islamism against secular nationalism. That’s been a consistent theme of imperial strategy for a long time. Saudi Arabia is the center of radical Islamic extremism. Patrick Cockburn, one of the best commentators and most knowledgeable commentators, has correctly pointed out that what he calls the Wahhibisation of Sunni Islam, the spread of Saudi extremist Wahhabi doctrine over Sunni Islam, the Sunni world, is one of the real disasters of modern—of the modern era. It’s a source of not only funding for extremist radical Islam and the jihadi outgrowths of it, but also, doctrinally, mosques, clerics and so on, schools, you know, madrassas, where you study just Qur’an, is spreading all over the huge Sunni areas from Saudi influence. And it continues.”
http://www.democracynow.org/…/chomsky_todays_gop_is_a_candi…

2- Antonio Guterres, the Man Who May Become the Next UN Secretary-General ( Devirupa Mitra)

“I don’t want to talk about it,” he said, when approached at the end of his speech for a comment about his pole position among the candidates to succeed Ban Ki-Moon in 2017. Guterres has assiduously kept away from any public commentary, even among the media of his own country, despite being pursued relentlessly since the news leaked about the straw poll results.
Diplomatic sources told The Wire that Guterrres was certainly happy with the result, but unlike other candidates, was determined not to be seen to comment on a result that was only the first roadblock to be cleared on a long and uncertain road.” ahead.

http://thewire.in/53385/antonio-guterres/

3 – Turkey: Erdogan moves to shutter 2,340 institutions (aljazeera.com)

“Turkey has suspended 37,500 civil servants and police officers in the wake of the coup, including many from the education ministry, and also revoked the license of 21,000 teachers. The education ministry said it was looking to close more than 600 schools.
The number of people detained has surpassed 10,000 while more than 4,000 of those have been arrested. More than 7,000 of those detained are soldiers, including at least 120 generals.”
http://www.aljazeera.com/…/turkey-erdogan-moves-shutter-234…

(Imagem: ilustração de Martha Williams)

Lá vamos nós

article-2637413-1e24078b00000578-482_634x402Sobre a suposta suspensão de fundos, as eventuais sanções e a possível ida ao Tribunal de Justiça da UE – Hoje no Público – Lá vamos nós

“E assim chegamos ao ponto em que a batata quente já foi passada demasiadas vezes entre Comissão e Conselho. De qualquer das formas, o mal já está feito, em mais uma vitória para os irresponsáveis políticos na Europa. A haver anúncio de sanções poderia ao menos retirar-se como boa conclusão desta história o recurso do governo ao Tribunal de Justiça da UE. Não apenas contra as sanções, mas como ocasião de expor (como defendo aqui há anos) a fundamental incompatibilidade das políticas da troika com os tratados europeus. Algum governo teria um dia coragem de o fazer. Que seja o português, agora.”

 

O frio na espinha

Cn72_bWUMAEGX2W.jpg-large

 

Esta madrugada Trump fez o seu grande discurso, e o resultado foi ainda mais assustador do que eu esperava. Fiquei acordado até às cinco da manhã e pensava: isto parece uma experiência para obrigar até o historiador mais renitente a dizer “sim, é fascismo”. Sim, é nacionalismo autoritário, racista e xenófobo. Todo o discurso foi sobre medo, vitimização e ódio, com Trump repetindo que ele era a única solução (nunca explicando como) e o público à beira do delírio violento. Se o mundo quer ter um bocadinho mais de paz e sanidade, tudo deve ser feito para ajudar os EUA a derrotarem este homem. Meço as palavras: não há pessoa de bem, de direita esquerda ou centro, para quem a democracia e o estado de direito sejam importantes, e que não possa estar chocada com o que Trump está a fazer, se for sincera consigo mesma.

Já se ouvem, é claro, as desculpabilizações do costume. Que Trump faz isto só para ganhar, mas que se moderará depois. Que é “evidente” que ao chegar à Casa Branca não poderá fazer o que quer. Enfim, escuso de dar mais exemplos: são as justificativas que sempre se ouviram em relação a todos os ditadores e demagogos antes de chegarem ao poder. E não me digam que a democracia americana é suficientemente forte para resistir a isto: a democracia americana está debilitada há muitos anos, é confusa e corrompida, e não resistirá a uma avalanche de votos em Trump. Se ele ganhar, claro que terá mandato para fazer o que quiser, a começar por nomear juízes do Supremo que interpretem a Constituição à sua maneira.

Já era de madrugada quando me perguntei porque, exatamente, estava a ver aquilo. Duas respostas possíveis: para ficar aliviado se Trump perder. Ou para dizer aos miúdos, no futuro, entre as ruínas, que sim, eu estava lá quando Trump subiu ao poder e o ouvi na TV, como há pais e avós que nos dizem ter ouvido Mussolini e Hitler na rádio, e isso nos dá um frio na espinha. Ontem tive esse frio na espinha. Quem acha que é exagero anda distraído.

Atenção: isto não é um teste

Foto de Ron Jenkins/Getty Images

Atenção: isto não é um teste – A minha crónica de hoje no Público.

“O único problema é que isto não é um ensaio de incêndio do qual se sai com um suspiro de alívio e um pouco mais de preparação para qualquer eventualidade. Esta é a vida real de milhões de pessoas, à beira do abismo. Este não é um teste de história para ver quem fica bem aos olhos da posteridade, mas uma questão de moralidade e decência para com o presente da humanidade concreta. O passado serve apenas para nos iluminar contra os erros presentes.

Quem justifica o renascimento do nacionalismo hoje não terá como deter os excessos do egoísmo nacional amanhã. Essa justificação terá, como sempre, consequências: não dá para sair do comboio quando a viagem se tornar desagradável.”

Leituras do dia 22.07

Foto de Daniel Acker/Bloomberg

1 – Ur-Fascism (Umberto Eco)

Fascism became an all-purpose term because one can eliminate from a fascist regime one or more features, and it will still be recognizable as fascist. Take away imperialism from fascism and you still have Franco and Salazar. Take away colonialism and you still have the Balkan fascism of the Ustashes. Add to the Italian fascism a radical anti-capitalism (which never much fascinated Mussolini) and you have Ezra Pound. Add a cult of Celtic mythology and the Grail mysticism (completely alien to official fascism) and you have one of the most respected fascist gurus, Julius Evola. But in spite of this fuzziness, I think it is possible to outline a list of features that are typical of what I would like to call Ur-Fascism, or Eternal Fascism. These features cannot be organized into a system; many of them contradict each other, and are also typical of other kinds of despotism or fanaticism. But it is enough that one of them be present to allow fascism to coagulate around it.

2 – How a Trump presidency could destabilize Europe (Anne Applebaum)

Russia is clearly participating in the Trump campaign. The theft of material from the Democratic National Committee a few weeks ago was the work of Russian hackers. Russian state media and social media, together with a host of fake websites and Twitter accounts with Russian origins, actively support Trump and are contributing to some of the hysteria on the Internet. I’m not arguing that any of this has been decisive. But whatever resources Putin wagered on Trump, they are paying off.

3 – Putin’s Puppet (Franklin Foer)

Donald Trump is like the Kremlin’s favored candidates, only more so. He celebrated the United Kingdom’s exit from the EU. He denounces NATO with feeling. He is also a great admirer of Vladimir Putin. Trump’s devotion to the Russian president has been portrayed as buffoonish enthusiasm for a fellow macho strongman. But Trump’s statements of praise amount to something closer to slavish devotion. In 2007, he praised Putin for “rebuilding Russia.” A year later he added, “He does his work well. Much better than our Bush.” When Putin ripped American exceptionalism in a New York Times op-ed in 2013, Trump called it “a masterpiece.” Despite ample evidence, Trump denies that Putin has assassinated his opponents: “In all fairness to Putin, you’re saying he killed people. I haven’t seen that.” In the event that such killings have transpired, they can be forgiven: “At least he’s a leader.” And not just any old head of state: “I will tell you that, in terms of leadership, he’s getting an A.”

4 – Report: Trump campaign pays female staff much less (Reena Flores)

Trump’s campaign, meanwhile, has faced scrutiny before over its pay practices. One former employee in Iowa blamed her firing on sexual discrimination by the Trump campaign, charging that men were getting paid more for the same jobs women had.

***

Vale a pena notar que a foto acima é, com o benefício da dúvida, um resultado do acaso: Laura Ingraham começou por saudar a multidão no comício de Trump com o braço esticado e a meio parece ter-se lembrado de que não podia fazer esse gesto e mudou para um aceno mais inocente. Vale a pena ver o vídeo abaixo que é, dadas as circunstâncias, mais divertido do que assustador. Mas uma coisa é certa, quando se joga com a cenografia fascista tanto quanto os republicanos fizeram nesta convenção, o que não falta são imagens com ar fascista. Quem diria? 

A mentira sai barata

The politician – Karien Deroo

 

A minha crónica de ontem no Público.

“A mentira funciona, pelo menos no curto prazo. A campanha no referendo britânico foi ganha pelos brexiteers com um número falso (“damos 350 milhões de libras por semana à UE…”) que antecedia uma promessa que nunca tiveram intenção de cumprir (“…vamos antes financiar o Sistema Nacional de Saúde”). Depois da vitória estar no papo, que lhes interessou a desonra?

Não adianta alegar que sempre houve mentira e desonestidade em política. A novidade não está na mentira, está no preço que deixou de se pagar quando ela é descoberta. Onde antes carreiras eram destruídas, basta agora um encolher de ombros e esperar que chegue outro assunto. Esta cultura, iniciada ou pelo menos legitimada pela grande mentira que foi a Guerra do Iraque, foi inevitavelmente aproveitada por aqueles a que se chama “populistas”. Se os políticos “sérios” usufruem, por que não eles também?”

Mais em A mentira sai barata