O estado do desastre

Por isso a resolução da história é de novo política. Se o governo grego puder governar, com a progressiva acalmia no euro e com uma economia que bateu no fundo, pode ser que as coisas melhorem. Esse é o medo da direita europeia — e também de uma parte da esquerda, que aposta na impossibilidade de governar à esquerda dentro da União.

É altura para um ponto de situação na questão euro-helénica.

Os leitores talvez estejam lembrados de que há cerca de mês e meio, na sequência de um acordo obtido no eurogrupo sobre a questão grega, deixei aqui escrito que a crise do euro começava a acabar. Apesar de todas as cautelas — a mais importante das quais era que isso não significava o fim da crise económica e social na Europa, muito menos o fim da crise política na União, que é a mais grave — era uma profecia arriscada. Continuar a ler ‘O estado do desastre’

Portugal contemporâneo

Milagre é que, no meio do preconceito que temos conosco mesmos, haja quem queira viver de outra forma. Viver o seu tempo, vivê-lo todo, à sua maneira e até ao fim. É isso que entrevemos e nos impressiona naqueles grandes que perdemos agora. Parece inatingível. À altura a que obra deles chega, talvez seja mesmo.

Morreram Herberto Helder, Manoel de Oliveira e José da Silva Lopes, três “grandes”, como lhes chamam. Em que sentido? Certamente no sentido em que seriam grandes em qualquer lugar do mundo, e não só em comparação com o lugar em que nasceram (como demonstração aduzem-se as referências que sobre eles saíram na imprensa estrangeira).

Eu gostaria de propor uma outra dimensão explicativa. A grandeza, se existe, significa — para estes grandes ou para qualquer outra pessoa — que se viveu plenamente o seu tempo, em vez de se ter vivido meramente no seu tempo. Uma diferença subtil, mas que está lá: não apenas adverbial entre “plenamente” e “meramente”, que não passa de uma aposição nossa, mas substancial entre viver “no” tempo e viver “o” tempo, que é toda uma outra forma de entender o tudo que nós temos. Continuar a ler ‘Portugal contemporâneo’

Eficácia ma non troppo

A eficácia ou a competência são apenas prezáveis num quadro de princípios, valores e ideais. Dizer que se é eficaz na construção de uma escola não é, claramente, a mesma coisa que ser eficaz na condução de um massacre.

Quando os fascistas chegaram ao poder em Itália, em 1922, um dos primeiros sucessos que proclamaram ao mundo foi o de terem conseguido com que os comboios passassem a andar a horas. Provavelmente no ano seguinte, em Portugal, o poeta Fernando Pessoa escrevinhou num papel as seguintes frases:

«A obra principal do fascismo é o aperfeiçoamento e organização do sistema ferroviário. Os comboios agora andam bem e chegam sempre à tabela. Por exemplo, você vive em Milão; seu pai vive em Roma. Os fascistas matam seu pai mas você tem a certeza que, metendo-se no comboio, chega a tempo para o enterro.»

Os crimes da esquerda e da direita foram também, em muitos dos casos, crimes contra a esquerda e a direita — perpetrados por quem proclamava superar as distinções políticas, partidárias ou de opinião dentro da nação, do estado ou da classe. Continuar a ler ‘Eficácia ma non troppo’

Estratégia em vez de tática

O momento é de responsabilidade histórica, e bem identificado num manifesto recente no qual pontificam cinco historiadores — António Borges Coelho, Cláudio Torres, Fernando Rosas, Luís Reis Torgal e Manuel Loff, por ordem alfabética — alguns deles politicamente ligados, ou próximos, ao PCP e do BE. Neste manifesto as coisas são postas com a crueza que têm: “as eleições estarão perdidas para todas as esquerdas se, depois de três anos de Troika, o nosso povo tiver pela frente trinta anos de empobrecimento”. Esta é a quinta premissa, e decisiva: ou fazemos algo para interromper a deriva ou cada vez menos teremos um país onde valha a pena viver.

As próximas eleições legislativas não são umas eleições quaisquer. Nelas está em risco o adquirido democrático e social do nosso país. Permitam-me relembrar os traços essenciais deste argumento, embora ele já venha sido defendido há muito nesta crónica.

Em primeiro lugar, veremos certamente nos próximos meses Continuar a ler ‘Estratégia em vez de tática’

Ir para fora cá dentro

Um país só sabe o que quer fazer no mundo se souber primeiro aquilo que quer ser.

Portugal tem diplomacia mas não tem política externa, dizia José Medeiros Ferreira. Infelizmente, isso nunca foi tão verdade como nos últimos anos. No plano europeu, a nossa estratégia tem sido mais seguidista do que alguma vez foi. Na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, os mandatos do atual governo e Presidente da República saldaram-se pela humilhante adesão da Guiné Equatorial. No plano internacional, nada. Não se vê um fio à meada.

Tendo em conta isto, é difícil entender a iniciativa do Presidente da República ao escrever um prefácio aos seus discursos sobre “Diplomacia Presidencial”. Este deveria ser um dos últimos assuntos para o qual Cavaco Silva desejaria chamar a atenção no fim do seu mandato. “Chamar a atenção” é uma maneira de dizer: a leitura do dito prefácio, para lá de uma introdução teórico-constitucional, mostra uma progressão metódica de reunião em reunião tão imaginativa ou interessante como um livro de ponto. Continuar a ler ‘Ir para fora cá dentro’

Passos juiz de si mesmo

É por isso que indigna tanto que Passos tenha para si a sensibilidade que negou aos concidadãos que governa. Razões para a sua demissão não faltaram durante todo o seu mandato. O que não há é razões para que ele possa ser juiz de si mesmo.

Diz muito sobre Pedro Passos Coelho que este tenha pensado dar uma novidade a alguém quando a semana passada nos anunciou que não é “um cidadão perfeito”. Nós já tínhamos desconfiado, e nem foi preciso esperar pela sua biografia fiscal e contributiva.

A questão é: qual deve ser a bitola? A não-perfeição do cidadão é claramente inadequada, porque nos inclui a todos, e porque inclui demasiada coisa. Ninguém consegue ser perfeito e, consequentemente, ninguém tem culpa de ser imperfeito. Há pois algo de inversão moral na forma como Passos Coelho se coloca perante os cidadãos, pretendendo dizer-nos que, porque nós próprios não somos perfeitos, ele é apenas um de nós.

Os comentadores declaram que ele falhou na sua missão de “fechar o assunto”. Continuar a ler ‘Passos juiz de si mesmo’

O nosso tempo

A grande questão que agora temos para responder é: que Europa é a nossa? Uma recapitulação da que nasceu há cem anos, democrática e problemática, instável e inevitável no conflito? Ou qualquer coisa de novo?

Não se comemoram apenas, por estes anos, os cem anos da Iª Guerra Mundial, mas também os duzentos da derrota definitiva de Napoleão, que deu origem à Europa que a Iª Guerra Mundial viria a destruir.

Há duzentos exatamente, Napoleão já tinha sido deposto uma vez e exilado na ilha de Elba, mas fugira de volta para França disposto a retomar o poder aos Bourbons. A 7 de Março de 1815, o exército francês apanhou-o em Grenoble. “Se me querem matar, aqui me têm, o vosso imperador”, terá dito ele. Os soldados mudaram de lado e no dia 21 Napoleão estava de novo em Paris e no trono imperial. Depois disso foram os famosos “Cem Dias”, Waterloo, a derrota final. Napoleão foi mandado para a ilha de Santa Helena e a Europa ficou controlada pelos impérios reunidos no Congresso de Viena. Continuar a ler ‘O nosso tempo’

Sim, a troika morreu

Como lembrei aqui várias vezes, a base legal da troika era reconhecidamente frágil, e a partir de que houvesse um governo disposto a usar esse argumento, ela estaria condenada.

A lista de reformas do governo grego foi entregue — a horas, ao contrário do noticiado. As instituições da UE (Comissão Europeia e Banco Central Europeu) declararam que o documento era um bom ponto de partida e o eurogrupo aprovou-o. Pormenor revelador, o FMI teve uma posição mais negativa, mas isso não influenciou o resultado. Os próximos meses dirão se estou certo, e se a crise do euro começou a acabar.

Tudo isto, contudo, está muito longe da forma como esta atualidade tem sido seguida, pontinho para aqui, pontinho para acolá, como num jogo de pingue-pongue. Vamos a um exemplo: a troika.

Na sua crónica de ontem, João Miguel Tavares critica-me porque, segundo ele, a troika foi apenas substituída pelas “instituições” e, portanto, continua na substância. Prova? Um eurodeputado do Syriza e veterano anti-nazi, Manolis Glezos, declarou que chamar “carne ao peixe” não significava o fim da troika. Camilo Lourenço, no Jornal de Negócios, usa o mesmo argumento de João Miguel Tavares, e proclama derrota para Varoufakis.

Vamos então recuar a 30 de janeiro, em Atenas, Continuar a ler ‘Sim, a troika morreu’

Fim de crise

“Toda a Europa deve um grande agradecimento à razoabilidade e imaginação de Varoufakis. O Armagedão foi evitado. Agora vamos ao trabalho.”

Crise” é um termo médico de origem grega: o momento em que o paciente pode morrer ou melhorar substancialmente e recuperar a saúde. Por esta definição podemos dizer que a passada sexta-feira, com a aprovação de um mero comunicado entre a Grécia e o Eurogrupo, foi o momento em que a crise do euro começou a acabar.

Sei que já foram escritas inúmeras análises sobre este assunto e nenhuma tão taxativamente otimista como esta. Assumo esse risco e veremos daqui a uns meses. Mas primeiro deixem-me fazer alguns alertas.

Dizer que a crise do euro começou a acabar não significa que os nossos problemas crónicos tenham acabado, que o eurogrupo tenha decidido abolir a austeridade, ou até que não continuemos a ter estes momentos angustiantes com assustadora frequência. Já hoje teremos a análise da lista de reformas proposta pelo governo grego, depois os debates nos vários parlamentos do eurogrupo, e daqui a quatro meses repete-se tudo quando acabar este financiamento ao governo grego. Vai continuar a haver incerteza e essa incerteza continuará a gerar notícias de jornal e especulação. Mas o grau dessa incerteza vai progressivamente diminuir.

Por outras palavras, a Europa recuou na sexta um passo do precipício. Continuar a ler ‘Fim de crise’

Vamos lá lixar este continente?

É preciso dizer alto e bom som: isto não é um jogo. Estamos a falar da vida e dos futuros de uma união monetária com 300 milhões de habitantes, numa União e num continente com mais de 500 milhões de pessoas. Estamos a falar da melhor hipótese de prosperidade partilhada, democracia e direitos fundamentais que construímos após os horrores indizíveis das guerras europeias. Brincar aos ultimatos neste continente é — não digo já de uma suprema irresponsabilidade, mas mais do que isso, de um dolo imperdoável.

Havia na paz de Versailles, após a primeira Guerra Mundial, um par de homens a quem chamaram “gémeos celestiais”. Eram um juiz e um banqueiro, ambos lordes ingleses, cuja missão era a de espremer a Alemanha, como então se disse, “até ela guinchar”. Ora, ficou registado que os dois lordes andavam sempre com um sorriso beatífico, em particular quando se podiam escudar num qualquer regulamento ou termo contratual para arruinar a Alemanha nas gerações seguintes sem perturbarem a sua consciência de estar a fazer o melhor “pelo contribuinte britânico”. A Alemanha foi arruinada, chegou uma nova guerra, e o contribuinte britânico acabou por ter de contribuir com os seus filhos para o campo de batalha. Continuar a ler ‘Vamos lá lixar este continente?’