Arquivo diario para January 2nd, 2011

Dar tempo ao tempo

As pessoas que eu estudo também não tinham o tempo todo, também elas estavam sob o mesmo efeito do futuro, puxando-as para cima como um corpo cheio de ar à tona de água. Inexoravelmente, mês após mês, uma oportunidade só de cada vez.


“Chegou maio de 1768”. “Chegou novembro de 1768”. “Chegou, finalmente, o dia 6 de junho de 1775”. “Veio o verão e passou o verão; chegou o Natal de 1775”.
Estou escrevendo um livro que se passa entre 1768 e 1777. “Estou escrevendo” é uma forma de expressão — na verdade, há mais de dez anos que o faço. Como entre maio de 1768 e março de 1777 passaram quase dez anos, isso significa que já trabalho há mais tempo no livro do que o tempo que levaram a passar os acontecimentos que eu estudo. Já demorei mais tempo neste tempo do que o tempo que ele demorou consigo mesmo.
Isto não tem nada de especial; é comum entre os historiadores das guerras napoleónicas, ou da Guerra Civil de Espanha que se leve décadas felizes estudando uns poucos anos infelizes. Os historiadores da Revolução Francesa podem dedicar a carreira inteira a mastigar o que aconteceu entre julho de 1789 e o termidor de 1794, meros e quase exatos cinco anos depois.
Pelos meus pecados, porém, não tenho passados estes mais de dez anos inteiros olhando para aqueles quase dez anos que passaram há 230 anos. Só às vezes mergulho dois ou três dias — com sorte um pouco mais Continuar a ler ‘Dar tempo ao tempo’